Algar Telecom quer impedir compartilhamento de antenas entre Vivo e Claro

Operadora mineira entrou com recurso contra decisão recente do Cade.

Algar Telecom quer impedir compartilhamento de antenas entre Vivo e Claro

Na última semana, a operadora regional Algar Telecom entrou com um recurso junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para impedir o compartilhamento de antenas entre a Vivo (VIVT3) e a Claro.

Conforme noticiado pelo Minha Operadora, em maio passado, o Cade aprovou sem restrições o acordo de compartilhamento entre as duas empresas.

A ideia é que a Vivo ceda unilateralmente o uso de 81 Estações Rádio Base (ERBs) para Claro, mediante pagamento pelo uso da infraestrutura e também pelo espectro.

Os valores e localização dessas torres não foram divulgados.

VEJA TAMBÉM:

–> Vivo e TIM já compartilham antenas em quase 700 cidades

–> Algar Telecom pede para atuar como interessada no processo de venda da Oi Móvel

–> De olho na expansão nacional, Algar Telecom compra Vogel por R$ 600 milhões

Entretanto, a Algar Telecom não vê com bons olhos o acordo de compartilhamento.

A operadora mineira afirma que a parceria elimina a concorrência em parte do mercado no país, concentrando o espectro e reforçando a posição dominante da Vivo e da Claro.

A empresa também diz que faltou no acordo uma cláusula de independência para manter a rivalidade entre as operadoras envolvidas.

A Algar Telecom ressalta ainda a possibilidade de “exercício de poder coordenado” no mercado de telefonia móvel, o que poderia fazer com que as duas operadoras trocassem informações sensíveis, igualem custos e diminuam a concorrência.

“Não foi explicitada, na versão pública do Parecer, a existência de mecanismos suficientes para mitigar esses riscos, de modo que o Cade deve considerar o seu agravamento com a Operação”, pediu a Algar Telecom em recurso.

A operadora regional também afirma que não há regulação suficiente para garantir o acesso de terceiros às redes envolvidas no acordo entre Claro e Vivo, nem que novos concorrentes entrem no mercado móvel, diante das atuais condições discriminatórias.

As operadoras Claro e Vivo não comentaram o caso.

No Cade, o recurso foi distribuído na última quarta-feira, 2, à conselheira da autarquia Paula Azevedo.

Com informações de Telesíntese.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
4 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários