Serviços de streaming também estão ofertando conteúdos piratas

Plataformas como Spotify, Deezer e Amazon Music vêm sendo notificadas por disponibilizar músicas ilegais.

Apesar do aumento da oferta de serviços de streaming apresentar um impacto positivo na redução da pirataria na internet, isso não significa que essas plataformas estão livres de hospedar títulos que infringem direitos autorais.

Além de sites piratas, a Associação Americana da Indústria de Gravação (RIAA), dos Estados Unidos, também está notificando serviços como Spotify, Deezer, Amazon Music, Tidal e Apple Music por disponibilizar conteúdos ilegais para usuários.

O que é mais curioso é que alguns desses conteúdos infratores são disponibilizados por artistas verificados, incluindo aqueles com mais de um milhão de ouvintes mensais.

Também chama a atenção a iniciativa da RIAA em envolver serviços de terceiros na luta contra a pirataria, como o Google.

VIU ISSO?

–> Mais de 110 sites piratas foram derrubados no Brasil em 2020

–> Popcorn Time: Streaming pirata é mais uma vez alvo de processo

–> Telegram é processado por não combater a pirataria

Nos últimos dias, por exemplo, o grupo enviou uma solicitação de remoção ao serviço de busca de 50 links do Spotify.

Os links eram relacionados à música “Hecha Pa’ Mi”, do cantor Boza (videoclipe abaixo).

Esses links apontavam para remixes, versões de karaoke, podcasts ou simplesmente a música de Boza copiada.

Nos últimos anos, a associação solicitou a retirada de quase 100 milhões de “links piratas”.

Entretanto, o Google parece que não tomou nenhuma providência, pois os links continuam listados no mecanismo de busca.

Ao que parece, a empresa acredita que as plataformas de streaming de música estão melhor equipadas para determinar se um determinado conteúdo é infrator ou não.

Vale ressaltar que a RIAA é formada por grandes gravadoras, sendo que elas possuem contato direto com os serviços de streaming, inclusive, com algumas delas proprietárias de parte de alguns das plataformas.

Ao carregar os links “infratores” nos serviços de streaming legítimos, a maioria aponta para uma página com conteúdo removido.

Outros ainda mostram as faixas, mas não podem mais ser reproduzidos.

Por isso, não está claro o porquê de o Google estar sendo envolvido nesse processo de remoções de conteúdo pirata.

Procurada pelo site Torrent Freak, a RIAA não quis comentar o caso.

Com informações de Torrent Freak.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
2 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários