InícioProjetos SociaisOperadoras de telefonia móvel firmam parceria em prol da educação

Operadoras de telefonia móvel firmam parceria em prol da educação

Colaboração com governos estaduais permite que estudantes tenham acesso gratuito a conteúdos educativos.

Logomarca das principais operadoras de telefonia móvel do país.
Internet patrocinada é a saída para os estudantes privados de aulas presenciais durante a pandemia.

Alguns estados do país vêm tentando minimizar os impactos da educação durante a pandemia. Umas das soluções encontradas é a internet patrocinada, que já vem sendo adotada em lugares como Sergipe, Rio Grande do Sul, Brasília e São Paulo, por exemplo. 

O recurso funciona da seguinte maneira: as operadoras disponibilizam acesso à páginas e sites de forma gratuita, que podem ser acessados livremente por aplicativo ou navegador, sem consumir dados do plano dos usuários, que neste caso, são os alunos e professores.


Em Sergipe, por exemplo, existe uma parceria entre as operadoras de telefonia móvel Vivo, Claro e Oi com o Governo do Estado, que disponibilizam acesso aos estudantes para conteúdos exclusivamente educativos, por meio do aplicativo Estude em Casa, para alunos da rede estadual de ensino. Neste caso, a conta é paga pelo Estado de Sergipe, que anunciou a novidade na última semana. 

VIU ISSO?

–> OI realiza webinar sobre inovação na educação

–> Telefônica Vivo leva projeto de educação para municípios de Sergipe

–> Senado aprova uso de recursos do Fust para investir na educação

Já no estado gaúcho, na capital do país e em São Paulo, o recurso já está disponível desde o ano passado. Cada um desses estados desenvolveu um aplicativo próprio. As ferramentas oferecem conteúdos didáticos como PDF, videoaulas, lives no Youtube, podcasts, entre outros. 

Ainda assim, nem tudo é perfeito. No estado sergipano, por exemplo, é preciso que o estudante esteja conectado à internet para que tenha acesso ao aplicativo e só depois é que os dados móveis deixam de ser cobrados do usuário. 

No entanto, algumas soluções alternativas estão sendo adotadas para os casos em que os estudantes não têm acesso à internet. Em Brasília, a escolha foi por um serviço de entrega e recolhimento de materiais impressos.

A estudante Raquel Lopes, que está no 3º ano do Colégio Estadual Professor Rollemberg de Leite, em Sergipe, disse que o recurso é benéfico para os estudantes porque nem todos têm acesso às aulas. “E com o aplicativo vai ficar melhor tanto para praticar as atividades quanto para poder estudar”.

Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários