InícioTelefonia CelularGoverno de São Paulo mantém monitoramento de celulares até junho

Governo de São Paulo mantém monitoramento de celulares até junho

Parceria do Estado com as operadoras visa aferir a concentração de pessoas durante a pandemia da Covid-19.

Foto do governador de São Paulo, João Dória: Imagem: Governo de São Paulo

Nesta quinta-feira, 4 de março, o governo do estado de São Paulo renovou a parceria com as operadoras de telefonia para manter o Sistema de Monitoramento Inteligente (SIMI-SP) até 30 de junho de 2021.

O acordo original firmado com a ABR Telecom, que representa as empresas de telefonia, previa o fim do uso do sistema neste mês de março, com uma possibilidade de renovação por mais três meses.

“As prestadoras Claro, Oi, TIM e Vivo, em atenção às solicitações recebidas dos órgãos de governo, decidiram dar continuidade por mais três meses ao cálculo e compartilhamento, por e-mail, do índice de isolamento”, diz uma nota da ABR Telecom.


Entretanto, diante do agravamento da pandemia do novo coronavírus, existe a possibilidade de o acordo de monitoramento de celulares ser prolongado até o final deste ano.

VIU ISSO?

–> Operadoras vão disponibilizar ‘mapas de calor’ para governos

–> Justiça revoga liminar que impedia monitoramento de celulares

–> Somos rastreados pelas medidas de combate ao COVID-19?

SIMI-SP

Criado em abril de 2020, o SIMI-SP utiliza dados das operadoras sobre o deslocamento de celulares por georreferenciamento nos 645 municípios paulistas, com o objetivo de aferir a adoção da população ao isolamento social.

A ferramenta permite gerar “mapas de calor”, indicando áreas de maior concentração de pessoas, por meio da triangulação de sinais de antenas de celular.

No início, o monitoramento de celulares foi considerado um assunto polêmico pela suspeita de riscos à privacidade e de outros direitos, sendo inclusive alvo de ações judiciais.

Entretanto, as operadoras e o governo estadual afirmam que os dados são anonimizados e que não é possível identificar individualmente os usuários.

A renovação do acordo antecede a entrada do estado de São Paulo na fase vermelha, neste sábado, 6 de março, após as taxas de ocupações das UTIs em vários municípios paulistas ultrapassarem a marca de 70%.

O país vive atualmente a segunda onda da pandemia, com média móvel de óbitos em alta, inclusive com índices superiores aos registrados no ano passado.

Desde o início da pandemia, o Brasil já registrou mais de 10,7 milhões de casos e 260 mil mortes.

Com informações de Teletime.

Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários