Flagrante: veja como é aplicado um golpe de WhatsApp

Operação das Polícias do RJ e SP prendeu criminosos nos dois estados; saiba detalhes sobre o combate ao golpe que é cada vez mais comum no país.

Tela de Smartphone com WhatsApp aberto
Imagem: Ilustração PxHere

Não param de sair notícias a respeito do famoso “Golpe do WhatsApp” e até mesmo as operadoras são penalizadas pela prática criminosa. O procedimento dos infratores é mais simples do que muitos imaginam, mas ainda assim causa prejuízo para inúmeras vítimas.

Normalmente, a pessoa tem o WhatsApp invadido e o responsável começa a solicitar empréstimos de quantias em dinheiro para os contatos. Dessa vez, tivemos mais detalhes sobre como funciona a atuação dos criminosos, com base em uma operação da Polícia do Rio de Janeiro e São Paulo, que cumpriu mandados de busca.

Juntas, as autoridades dos dois estados atuaram contra uma quadrilha que aplicava golpes desse tipo. Em uma das prisões, em São Paulo (capital), o infrator foi preso em flagrante e revelou todo o seu esquema de golpe para os policiais responsáveis pelo caso.

Jakson Costa Silva, conhecido como gordo, criou o perfil fake de um restaurante nas redes sociais e enviava cupons via direct para vários usuários. Mas, esse procedimento era feito apenas quando as vítimas seguiam o perfil de volta. Com isso, era solicitado que as vítimas enviassem seus números de WhatsApp.

VIU ISSO?

–> Oi é condenada a indenizar vítima de golpe no WhatsApp

–> Golpe do WhatsApp rende condenação para a TIM

–> Vivo e Facebook são multadas por causa de golpe do WhatsApp

Com as instruções enviadas, o golpista conseguia hackear o número do usuário assim que ele entrasse no aplicativo. A escolha dos contatos a quem solicitaria dinheiro era aleatória, com base nos grupos que a vítima frequentava pelo aplicativo.

Jakson era parte de uma quadrilha que atuava em conjunto, nos dois estados. Uma grande operação foi montada assim que iniciaram as investigações. Celulares, comprovantes de depósitos e outros itens foram coletados pelas autoridades.

Outra estratégia da quadrilha era se passar por uma operadora de telefonia móvel e solicitar um código, até mesmo via mensagem nas redes sociais. Assim que a vítima enviava a numeração, os golpistas conseguiam acesso ao WhatsApp.

No mais, é recomendado que todos ativem a “verificação em duas etapas” no aplicativo, a fim de se proteger de possíveis golpes.

Com informações de O Globo

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários