InícioTecnologiaApple Watch salva homem que caiu em lago congelado

Apple Watch salva homem que caiu em lago congelado

Usuário teve dificuldades para acessar o smartphone, mas se salvou com ajuda de outra tecnologia; entenda o ocorrido.

Modelos do Apple Watch
Imagem: Divulgação Apple

William Rogers, portador de um iPhone e Apple Watch, certamente tem uma história impressionante para contar, sobre como a tecnologia da “maçã” salvou sua própria vida.

Em um momento de descontração, durante uma patinação no gelo, o homem de 62 anos viu a camada sólida se romper e caiu diretamente na água do parque Salmon Falls River.


A temperatura, obviamente, dificultou toda a locomoção e ele não conseguiu pegar seu smartphone para fazer uma chamada de emergência.

Com isso, a solução surgiu no Apple Watch. Ao lembrar que conseguia acessar seu relógio inteligente para discar “911”, o usuário prontamente fez e conseguiu ser socorrido a tempo, graças a tecnologia.

VIU ISSO?

–> Variante do iPhone 12 fiasca; Apple reduz produção

–> Vendas do Fire Stick TV provam sucesso das ‘Streaming Box’

–> Nubank e Mercado Pago se unem ao Google

O relato foi feito para um canal de TV local, na cidade de Sommersworth, no estado de New Hampshire (EUA), local do acidente.

Após realizar o contato, os bombeiros da cidade socorreram William Rogers e correram para leva-lo até o hospital. As chamadas de emergência no Apple Watch estão disponíveis a partir da 3ª geração do dispositivo.

Além da Apple, marcas como Xiaomi, Iwo e Samsung também já lançaram ‘relógios inteligentes’ com o recurso de chamadas.

Os famosos ‘smartwatches’ permitem ainda que usuários atendam chamadas, baterias de longa duração e até mesmo pagamentos em máquinas com NFC. O Apple Watch, por exemplo, disponibiliza o recurso pelo “Apple Pay”.

No ano passado, um outro relato também chamou atenção dos entusiastas por tecnologia. Na ocasião, Larry Shiver conta que havia comprado um Galaxy Watch 3 há poucas semanas e quis explorar o recurso de eletrocardiograma (ECG), que acusou uma doença no usuário.

Com o diagnóstico digital, o consumidor buscou por um atendimento médico e conseguiu resolver seu problema, de gravidade, em tempo hábil para que sua vida continuasse segura.

Com informações de ISTOÉ (1,2)

Anderson Guimarães
Jornalista com seis anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop. E-mail: [email protected]
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários