InícioTV por AssinaturaTV por assinatura pode ficar mais cara em São Paulo

TV por assinatura pode ficar mais cara em São Paulo

Governador argumenta que elevação de tributos visa equilibrar contas públicas.

A Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) aprovou nesta quarta-feira, 14, o substitutivo do projeto de lei 529/20, que prevê um novo pacote de ajustes fiscais e equilíbrio das contas públicas.

Entre as medidas apresentadas está a redução de benefícios fiscais, o que pode elevar em até 10% o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) pago pelas operadoras da TV Paga.


A mudança também afeta a oferta da Banda Larga Popular.

Com autoria de João Doria (PSDB), governador do estado de São Paulo, a proposta teve 48 votos favoráveis e 37 contrários. Os destaques do documento ainda precisam ser votados na Alesp.

Atualmente, as empresas de TV por assinatura pagam ao estado 12% de ICMS. Também há a expectativa de que outros custos indiretos possam subir.

VIU ISSO?

–> TV por assinatura ganha quase 69 mil novos clientes em agosto

–> Netflix deve aumentar valor de assinatura

–> TV por assinatura pré-paga x pós-paga; qual é mais acessível?

Nos últimos dois meses, as operadoras e entidades do setor tentaram barrar a medida, alegando que a TV Paga já vem perdendo clientes, e que o aumento do imposto só iria acelerar essa queda.

Em carta enviada à Alesp, a Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (ABTA) chegou a afirmar que o aumento de 10% do ICMS resultaria no desligamento de mais 19,4% da base atual.

Tal medida “poderia provocar perda e não ganho de receita para o Estado de São Paulo”, alegou a entidade.

O governador por sua vez argumenta que a elevação dos tributos visa cumprir metas fiscais, decorrente da queda na arrecadação por conta da pandemia da Covid-19.

O cálculo oficial aponta déficit orçamentário de R$ 10,4 bilhões em 2021.

[ATUALIZAÇÃO – 16/10/2020 16h01]:

O governo do Estado de São Paulo publicou nesta sexta-feira, 16, o decreto nº 65.252/2020, que aumenta a alíquota do ICMS para os serviços de TV por assinatura de 12% para 18%.

A alta da taxa não afeta o serviço de banda larga popular.

O decreto entra em vigor nesta data, mas seus efeitos somente a partir de janeiro de 2021.

Com informações de Telesíntese.

Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.

1 COMENTÁRIO

Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários