Câmara estuda uso de aplicativo para monitoramento da população

Ideia é rastrear pessoas infectadas com a Covid-19 para combater a pandemia.

A Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados está fazendo um estudo com o objetivo de implantar em todo o país um aplicativo para smartphones, com o objetivo de rastrear pessoas com a Covid-19 e evitar novas infecções.

A ideia é seguir o mesmo exemplo de outros países que utilizam essa tecnologia, para identificar rapidamente indivíduos que tiveram contato com doentes, para que sejam adotadas medidas de quarentena.


Entretanto, o próprio autor do estudo, o consultor legislativo Claudio Nazareno, faz várias ressalvas para a implantação do app. Uma delas é que o recurso só seria efetivo quando a pandemia já estiver sob controle, com taxa de contágio estabilizada e baixo número de casos.

Outra ressalva é que o sistema só funcionará se a população realmente obedecer às normas de isolamento social.

Mas o ponto crítico do uso do aplicativo é a questão da privacidade dos usuários.

Na Coreia do Sul, por exemplo, onde o método é utilizado, um app monitora se os infectados saem de suas casas durante a quarentena obrigatória. No país asiático, o sistema é extremamente invasivo, coletando informações de GPS, transações financeiras, entre outros.

Na China o caso é pior, já que o uso do aplicativo é obrigatório e os dados de deslocamento das pessoas é combinado com os resultados dos testes de infecção.

Nos dois casos, o governo tem acesso a essas informações, por meio de um sistema centralizado.

VIU ISSO?

–> MP que obrigava operadoras a compartilhar dados perde validade

–> Somos rastreados pelas medidas de combate ao COVID-19?

–> 80% dos celulares na Espanha serão monitorados

Para melhorar a questão da privacidade, existe a opção de utilizar um sistema descentralizado, como ocorre na Alemanha. Lá, o governo não tem posse das informações. O próprio usuário faz o pareamento do celular para saber se ele se aproximou de uma pessoa infectada, e ele mesmo adota as medidas de isolamento social.

“Então depende muito da boa vontade e do interesse das pessoas em fazer parte desse processo de auto-isolamento, quando o sistema é descentralizado. Isso pode ser um grande problema aqui no Brasil”, alerta Nazareno.

Independentemente do sistema utilizado, o consultor indica a necessidade de uma Autoridade de Proteção de Dados – que ainda não foi criada pelo governo – e um atendimento rigoroso à Lei Geral de Proteção de Dados.

Mesmo que a vacina seja disponibilizada para a população e a pandemia chegue ao fim, Claudio defende o desenvolvimento desse tipo de tecnologia para enfrentamentos epidemiológicos futuros.

Com informações de Agência Câmara Notícias.

A SKY tem o plano ideal para a sua TV! Aproveite já com 50% de desconto no primeiro mês. Ligue 0800 123 2040.

COMPARTILHAR EM:

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários