Constelação de satélites da Amazon é aprovada nos EUA

Rival da SpaceX, projeto visa levar banda larga de alta velocidade para regiões desconectadas em todo o mundo.

A Comissão Federal de Comunicações (FCC, na sigla em inglês) dos EUA aprovou nesta quinta-feira, 30, o pedido da Amazon para operar uma constelação com cerca de 3,2 mil satélites em órbita da Terra.

A um custo estimado de US$ 10 bilhões (R$ 52,15 bilhões na cotação atual), a constelação Kuiper tem o objetivo de implantar uma frota de pequenos satélites que fornecerá conectividade banda larga de baixa latência e alta velocidade para consumidores, governos e empresas de todo o mundo.


A ideia é que a constelação também ajude a expandir as áreas de cobertura de 4G e 5G, permitindo serviços de baixa latência para operadoras móveis.

O valor do projeto é o mesmo estimado pela constelação rival, a Starlink, da SpaceX, que já conta com mais de 500 pequenos satélites em órbita.

Na decisão da FCC, a Amazon tem até 30 de julho de 2026 para lançar metade de sua frota de satélites e até 30 de julho de 2029, para a constelação estar completa.

A companhia pretende operar a Kuiper na banda Ka e implantar os satélites em três camadas, uma a 590 quilômetros, outra a 610 quilômetros e a terceira a 630 quilômetros da Terra.

VIU ISSO?

–> Internet espacial de Elon Musk busca voluntários para teste

–> SpaceX e OneWeb estão por trás de boom de avistamento de OVNIs

–> SpaceX lança mais 60 satélites do ambicioso projeto Starlink

Jeff Bezos, fundador da Amazon, também é dono da empresa de lançamento de foguetes Blue Origin. Entretanto, não está definido qual foguete impulsionará os satélites da Kuiper. Empresas como a United Launch Alliance, a Northrop Grumman e a própria SpaceX poderiam competir pelos contratos de lançamento.

Além da Amazon e da SpaceX, a Telesat, OneWeb e possivelmente a Viasat também pretendem entrar no mercado de banda larga de alta velocidade oferecida a partir de um grande número de satélites em baixa órbita terrestre.

Projetos como esses, que envolvem o lançamento de milhares de objetos em órbita, tem sido criticada, pelo aumento do lixo espacial, além de atrapalhar pesquisas astronômicas.

Com informações de SpaceNews.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
0 0 voto
Nota para o redator
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários