Fábio Faria é empossado no recriado Ministério das Comunicações

Em discurso, novo ministro lembrou dos benefícios das telecomunicações no enfrentamento da pandemia da Covid-19 e prometeu inclusão digital.

Imagem: Alan Santos/PR

Nesta quarta-feira, 17, Jair Bolsonaro (sem partido), atual presidente da República, empossou o deputado Fabio Faria (PSD-RN) como o novo ministro do recriado Ministério das Comunicações. Entre as suas prioridades está a inclusão digital do país.

Na semana passada, Bolsonaro anunciou em suas redes sociais a recriação do Ministério das Comunicações, a partir do desmembramento do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).


A nomeação do deputado levantou especulações por ele ser casado com Patrícia Abravanel, filha de Silvio Santos, dono da emissora SBT, que possui concessão publica de televisão.

O famoso apresentador não esteve presente na posse, por conta do isolamento social da Covid-19, mas a família Abravanel estava representada por Patrícia e suas irmãs Daniela e Renata.

Fabio já inicia seu mandato com uma longa lista de projetos em andamento e pendências do antigo MCTIC, entre eles, o leilão do 5G no Brasil. Entre as suas atribuições, estão as políticas nacionais de telecomunicações, radiodifusão, além da comunicação e divulgação do Governo Federal.

Ele também será responsável pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Correios e Telebrás.

Em seu primeiro discurso, o novo ministro destacou a importância das telecomunicações no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. Ele lembrou os avanços na digitalização de atos, na telemedicina e no comércio eletrônico.

Por outro lado, Faria lembrou que existem milhões de crianças que não podem assistir às aulas online e adultos que não podem trabalhar remotamente, pela falta de acesso à internet, o que requer que a inclusão digital avance à “passos largos”.

Sobre o momento de crise política que o país enfrenta, ele falou da importância do diálogo.

“É tempo de levantarmos a guarda contra o novo coronavírus, também é hora de um armistício patriótico e deixarmos a arena eleitoral para 2022. É preciso sobretudo respeito e que deixemos as nossas diferenças político-ideológicas de lado para enfrentarmos esse inimigo invisível comum que tem tirado a vida de milhares de pessoas e gerado danos incalculáveis à economia. É hora de pacificar o país”, disse Fabio, em cerimônia no Palácio do Planalto.

VIU ISSO?

–> Bolsonaro quer mudar regras de concessão de TV

–> ‘Menor preço’ não deve ser prioridade no Leilão 5G brasileiro

–> Bolsonaro ameaça não renovar a concessão da Globo

Em rápido discurso, Bolsonaro afirmou que “não são as instituições que falam o que o povo deve fazer”, e sim o contrário. Aproveitou para defender respeito à Constituição Federal, mesmo que pessoas não concordarem com o seu texto.

Na cerimônia também estavam presentes os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), estava ausente por ter tido um “imprevisto”.

No mesmo evento, Marcos Pontes, ex-ministro do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e Comunicações (MCTIC) foi reempossado como ministro no agora Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI).

Com informações de Agência Brasil, G1 e Folha de São Paulo.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
0 0 voto
Nota para o redator
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários