01/07/2022

Operadoras temem apagão na internet

Setor está preocupado com iniciativas tomadas por governos estaduais e municipais durante a pandemia.

Diante do aumento expressivo do tráfego da internet, da migração das redes corporativas para residenciais e da necessidade de conectar unidades de saúde durante o surto do novo coronavírus, os provedores regionais temem um apagão na prestação do serviço de internet.

Em comunicado, a Associação dos Provedores Regionais (PROBAHIA) alerta que se a inadimplência for estimulada, como tem ocorrido com determinadas legislações estaduais e municipais, as pequenas operadoras não terão fôlego financeiro para continuar a fornecer conectividade para seus clientes. E isso pode ocorrer no curto prazo.

A entidade argumenta que os serviços de telecomunicações são equiparados a outros serviços essenciais de forma equivocada. A PROBAHIA diz que energia, água e esgoto são serviços públicos concedidos na forma de monopólio, no qual os governos garantem a continuidade da prestação, independentemente das condições econômicas do país.

Já o serviço de internet banda larga é prestado por empresas, sendo em sua maioria de pequenos provedores, atendendo uma grande porcentagem da população brasileira.

Segundo dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), os pequenos provedores encerraram o ano de 2019 como os principais fornecedores de banda larga fixa no Brasil.

VIU ISSO?

–> Cai liminar que proibia as operadoras de cortarem serviços

–> Anatel quer usar Fust para ajudar operadoras durante a pandemia

–> Covid-19 está reduzindo desempenho da internet mundial

Nas últimas semanas, a PROBAHIA e outras entidades do setor tem feito um apelo para que os clientes continuem pagando os seus serviços de telecom, para que as empresas possam continuar a contratar links adicionais para manter a prestação do serviço de internet.

Logo no início da pandemia as empresas baianas se colocaram à disposição para participar de ações de contenção da Covid-19, garantindo a conectividade em hospitais e postos de campanhas instalados na capital e interior, bem como famílias carentes, pequenos comércios, órgãos públicos e outros setores essenciais.

Estima-se que existam 1.200 provedores regionais atuando em todos os 417 municípios baianos, gerando 42 mil empregos no estado.

Com informações de Assessoria de Imprensa PROBAHIA.

Hemerson Brandão
Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.

1 COMENTÁRIO

Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários
1
0
O que você acha? Comente!x