InícioDefesa do ConsumidorClonagem de WhatsApp custará mais de R$ 8 mil para a TIM

Clonagem de WhatsApp custará mais de R$ 8 mil para a TIM

Operadora também terá que fazer pagamentos para três pessoas da lista de contatos da vítima; entenda o caso.

Ilustração hacker
Imagem: Unsplash

No dia 11 de janeiro de 2019, uma cliente da TIM parou de receber e efetuar chamadas telefônicas. Quando foi apurar o problema, descobriu que seu número havia sido clonado e ativado em outro chip.

Mas, o pior ainda estava por vir. A usuária descobriu que a ativação foi feita em uma loja da operadora, em São Bernardo do Campo – SP. A prática criminosa desencadeou outras consequências.

Com a clonagem da linha telefônica, o WhatsApp da consumidora foi ativado em outro aparelho e pessoas da sua lista de contatos começaram a ser importunadas pelos criminosos, que pediam dinheiro.

As quantias foram solicitadas para pessoas próximas e três delas fizeram depósitos de R$ 1 mil reais. Uma chegou a ultrapassar esse valor.


VIU ISSO?

–> Cuidado: estão se passando pela Anatel para clonagem de dados

–> Clonagem de celular é cada vez mais comum no Brasil

–> Claro é condenada a indenizar cliente em R$ 20 mil

Por conta disso, a TIM foi condenada a pagar R$ 5 mil em danos morais para a dona da linha e ressarcir os três contatos da vítima com R$ 1,2 mil, por decisão da juíza Roberta Nasser Leone, do 5º Juizado Especial Cível da comarca de Goiânia.

Em sua própria defesa, a operadora não se declarou culpada pelo ocorrida com a cliente e disse que o caso está configurado como culpa exclusiva de terceiro, pois não ultrapassa a barreira de um mero desgaste ou inconveniente.

Entretanto, a magistrada argumentou:

“É notório que para transferir o número celular para outro chip há inegável participação de funcionário da companhia telefônica, pois ocorre inativação do chip da vítima, com transferência para outro chip em poder dos ofensores. Trata-se, de fato, com ampla repercussão”, finalizou.

Por fim, a conclusão foi de que a TIM falhou com sua cliente e permitiu que a sua privacidade fosse invadida por meio da linha móvel.

Com informações de Rota Jurídica

Anderson Guimarães
Jornalista com seis anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop. E-mail: [email protected]

2 COMENTÁRIOS

Acompanhar esta matéria
Notificação de
2 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários