Claro é condenada a indenizar cliente em R$ 20 mil

Assinante da operadora teve seu WhatsApp clonado duas vezes. Autoridades consideram que a Claro falhou na prestação de serviços.

Ilustração: Hackers
Imagem: Pixabay

A proteção de informações pessoais continua como um tema delicado para as empresas de telecomunicações. Dessa vez, a Claro foi condenada a indenizar uma cliente em R$ 20 mil. Na ação, a consumidora alega que teve seu WhatsApp clonado duas vezes. A decisão é da 22ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo.

No relato, a vítima conta que o fraudador teve acesso ao seu histórico de conversas e enviou mensagens para seus contatos pedindo dinheiro. Quando percebeu que havia alguém se passando por ela, a cliente procurou a Claro.


A operadora aconselhou que ela trocasse a linha telefônica e o smartphone, para dificultar uma nova clonagem. Entretanto, uma semana depois de tomar as medidas indicadas pela Claro, o novo número também foi clonado.

VIU ISSO?
Operadoras são proibidas de permitirem ligação para a própria linha
Reconhecimento de imagens com 5G: segurança versus privacidade?
É o fim? TV por assinatura mantém queda de assinantes

Dois problemas apontados pela vítima foram a demora no atendimento e cancelamento das linhas. O segundo, inclusive, fez com que os contatos da vítima continuassem a receber mensagens na primeira linha clonada, já que ainda estavam salvos e a linha em atividade.

Em primeira instância, a indenização estava fixada em R$ 5 mil e a ação foi julgada como parcialmente procedente. Entretanto, a cliente recorreu e pediu a majoração do valor para R$ 30 mil.

Como resultado final, o TJ-SP considerou a falha e elevou a indenização para R$ 20 mil.

“Nesse contexto, com o devido respeito, tratando-se de falha na prestação do serviço e pelos problemas causados à recorrente, a indenização por danos morais deve ser majorada para R$ 20 mil, considerando os princípios da razoabilidade e proporcionalidade”, explicou o relator Roberto Mac Cracken.

Recentemente, a Anatel pediu que as operadoras bloqueassem chamadas para a própria linha telefônica, a fim de proteger os usuários de possíveis invasões, já que foi dessa maneira que as autoridades da Operação Lava-Jato tiveram seus dados vazados na web.

Com informações do Convergência Digital

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.

Deixe um comentário

Por favor, faça login para comentar
  Acompanhar esta matéria  
Notificação de