CPI das Fake News convoca operadoras de telefonia

Comissão investigará a propagação de notícias falsas nas redes sociais durante as eleições presidenciais de 2018.

Foto: Rawpixel/Pixabay

Na quarta-feira, 25, sob protestos dos parlamentares do PSL, a CPI Mista das Fake News aprovou de uma só vez os 86 requerimentos para convocar órgãos, empresas, personalidades, autoridades e especialistas para depor sobre a possível interferência de notícias falsas na eleição presidencial de 2018. Entre as empresas convocadas estão as operadoras Claro, Nextel, Oi, TIM e Vivo.

Entre os temas que serão debatidos com as empresas estão a definição do que é fakes news e seus impactos para a sociedade. A ideia é enumerar as consequências das notícias falsas para a democracia e identificar esquemas de financiamento, produção e disseminação desse conteúdo com o objetivo de lesar o processo eleitoral.


Também serão tema de debate o cyberbullying, aliciamento de menores e proteção de dados.

As operadoras terão papel-chave no debate sobre o sigilo de dados e possíveis alterações no marco regulatório da internet. Como sendo provedoras de internet, elas oferecem o acesso à rede para os usuários sob um endereço IP, podendo identificar possíveis fontes de notícias falsas ou ofensivas. No entanto, seguindo o Marco Civil, as empresas só fornecem esses dados mediante ordem judicial.

Além das companhias de telefonia, serão convocados os executivos brasileiros das empresas Google, Youtube, Facebook, Instagram, WhatsApp, Twitter e Telegram.

VIU ISSO?
–> Projeto obriga operadoras a garantir sinal de celular em rodovias
–> Projeto no Senado quer acabar com cobrança por SMS
–> Projeto pretende zerar taxas para impulsionar internet das coisas

Também consta na lista a Cambridge Analytica, empresa britânica que ficou famosa por utilizar dados pessoais de usuários do Facebook para fazer marketing político durante a eleição de Donald Trump, nos Estados Unidos.

A CPI avança em meio a um processo de obstrução da bancada do PSL, por meio de longos debates e manobras regimentais. A aprovação em bloco dos requerimentos, por exemplo, foi bastante criticada pela deputada Caroline de Toni (PSL-SC), por considerar que o processo está sendo atropelado e que ela só poderia ocorrer com a concordância unânime da comissão, o que não é o caso.

No entanto, o senador Angelo Coronel (PSD-BA), presidente da CPMI, afirmou que a comissão não tem nenhum grupo político como alvo.

“Esta comissão não visa à perseguição de ninguém. Esta comissão visa proteger a sociedade brasileira de fake news, de perfis falsos. Fico indignado quando vejo pessoas trazerem a culpa antecipada para o colo”, salienta o senador.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.

Deixe um comentário

avatar
  Cadastre-se  
Notificação de