terça-feira, 13 de novembro de 2018

5G: entenda por que essa tecnologia mudará o mundo

O que você achou? 
O 5G impulsionará a indústria dos carros conectados, inteligência artificial, realidade aumentada, entre tantas outras.



Você provavelmente já deve estar familiarizado com o termo 5G. As novas gerações da tecnologia que molda a transferência de voz e dados da telefonia móvel sempre causa um grande barulho na mídia. 

Com o 5G não é diferente, e falando especificamente dele, a expectativa é muito maior, já que as principais empresas envolvidas nesse ramo estão prometendo avanços jamais visto, e levantando teorias que podem até serem vistas como ousadas demais, vide o caso de David Dyxon, diretor de telefonia da operadora Three que em uma entrevista recente declarou que o 5G tem potencial para substituir conexão banda larga fixa residencial, podendo atender com facilidade diversos perfis de usuários.



A corrida pelo 5G está acontecendo com cada vez mais afinco, ainda mais agora, que a tecnologia está oficialmente orquestrada, com a confirmação em junho da padronização pelo grupo 3GPP, responsável por essas questões no setor da telefonia móvel.

"Os serviços comerciais 5G estão mais perto do que nunca com a finalização do release 15 do 3GPP", afirmou na ocasião o vice-presidente de arquitetura de acesso e padronização da AT&T, Hank Kafka

Com essa padronização, o viés comercial da tecnologia começará a ganhar força, principalmente por parte das operadoras quanto dos fabricantes de smartphones, que já estão divulgando que entre 2019 e 2020 lançaram suas opções de telefones compatíveis com a tecnologia. A Apple, por exemplo, deve lançar seus primeiros iPhones compatíveis com 5G em 2020. A expectativa é que eles utilizem um modem da Intel, apresentado ontem (12).

Países como o Catar (operadora Ooredoo) e Estados Unidos (Verizon e AT&T) já estão apostando em redes 5G comerciais. 

Durante o anúncio de lançamento a Ooredoo, destacou em seu comunicado que o 5G pavimenta o caminho para uma onda de inovações, incluindo carros sem motorista e estradas inteligentes, realidade virtual e aumentada, frotas de drones, entre outras coisas.



Essa declaração da Ooredoo é muito importante: a gama de inovações que poderão caminhar com mais velocidade graças ao 5G. Essa velocidade não é apenas na transferência de informações, estamos falando de velocidade de implementação mesmo, possibilidade de adiantar etapas.


Anúncio da Ooredoo sobre a sua primeira rede 5G do mundo

Os números do 5G são sempre magnânimos. Cita-se, por exemplo, que a velocidade será cerca de 50 vezes maior que o 4G. Além de velocidade, também falamos de mais estabilidade e redução de latência. 

A história do 5G substituir a conexão fixa doméstica, que hoje em dia está popularizando o serviço FFTH, a fibra óptica até a residência do cliente, não é um devaneio tão grande, quanto a declaração do executivo da Three possa parecer. Especialistas dizem que a estabilidade e latência são tão baixas que essa transição, e entregando velocidades de 200 e  400 Mbps, é totalmente possível.

O 5G não é um simples update de geração, é uma nova forma de encarar a transmissão de dados, adequando a um mundo completamente diferente daquele que o 2G, 3G e 4G era plano de fundo. 

No entretenimento, com o 5G será possível, por exemplo, fazer transmissões em 8K. Alias, o entretenimento é um ramo que irá faturar muito com essa tecnologia. A expectativa é que a tecnologia gere US$ 1,3 trilhão até 2028 para essa indústria.

Mas com tanta velocidade e novidades prometidas, resumir o 5G a possibilidade de navegar de forma ainda mais rápida, ou fazer o download de arquivos ainda maiores no celular é analisar por uma perspectiva muito limitada, temos é que observar como a Ooredoo pontuou!

VIU ISSO?


O 5G foi projetado para atender o grande boom da internet das coisas, que de acordo com dados da Cisco, deve acontecer em 2020, com impressionantes 50 bilhões de dispositivos conectados. Neste mesmo ano, de acordo com um relatório da Accenture 15% da população mundial estará utilizando o 5G.

Com o 5G estamos tratando de uma tecnologia projetada para conectar um número maior de dispositivos, fortalecendo conceitos de carros inteligentes e autônomos, cidades inteligentes, drones de trânsito, robótica, inteligência artificial, entre tantas coisas. Uma concretização da tão falada quarta revolução industrial.



Evidente que o 5G também gerá muitas dúvidas e temores. A parte da segurança é um dos temas principais. Cientistas da ETH Zurich, da Universidade de Lorraine/INRIA e da Universidade de Dundee, divulgaram recentemente um estudo que trata sobre falhas de segurança em torno da rede, alertando que metas críticas de segurança não estão sendo cumpridas pelo grupo responsável pela padronização, a 3GPP. Porém ainda há tempo do trabalho em conjunto para as correções.



A questão da segurança é um tema que continuará sendo de extrema importância, já que o 5G possibilitará que dispositivos com alto nível de periculosidade, como carros autônomos, estejam conectados.

Em nosso país talvez demore um bocado para que o 5G ganhe forma. A expectativa inicial das operadoras, que estão bem cautelosas com a implementação, é que a tecnologia chegue em 2021. 

A GSMAassociação global que representa as operadoras móveis, também já se pronunciou sobre a lentidão para todos os processos que o 5G demanda. Lucas Gallitto, diretor de políticas públicas da GSMA para América Latina chegou a ficar surpreso sobre a possibilidade do leilão de frequência para o 5G não acontecer em 2019. 


"Não sei o posicionamento do novo governo no sentido de isso mudar. Não seria tão bom, porque se o Brasil quiser continuar líder na região, sobretudo com a chegada da 5G, deveria considerar a possibilidade de realizar [uma licitação] no ano que vem", declarou o executivo.

Outro detalhe é que provavelmente o 5G no Brasil em sua fase inicial irá operar em frequências mais baixas da rede, as sub-6 que se caracteriza pelo uso da frequência de 6 GHz ou menos, a velocidade é mais alta que o 4G, porém não possui a mesma velocidade e capacidade do espectro de ondas milimétricas (entre 30 GHz e 300 GHz).



3 comentários:

  1. Brasil sempre atrasado , parece uma tartaruga , mais a culpa é desse governo atual , vamos próximo ano que vem tomara que melhore esse país

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Melhorias no novo governo eleito, só daqui um ano em 2020 veremos algo concreto, o primeiro ano e mais pra arrumar coisas do governo anterior.

      Excluir
  2. Pode ter até o 100G, quando chegar no Brasil as operadoras colocam um limite pifio e comercializam como revolucionário. Até o G atende super bem se nn houve o bloqueio insano de até 1m de velocidade.

    ResponderExcluir

Ao deixar a sua opinião no Minha Operadora você concorda em respeitar o nosso Código de Conduta.