20/05/2024

Correios podem virar ponto de acesso de internet pública

Agências dos Correios podem se tornas um local de Wi-Fi livre, ou seja, um ambiente de internet pública gratuita.

O governo federal analisa a implementação de conexão sem fio gratuita nas filiais dos Correios, convertendo as unidades em locais de acesso livre à rede. A proposta está em debate no Ministério das Comunicações (MCom) e integra o projeto de reorganização e próxima etapa da empresa estatal (confira aqui alguns detalhes sobre o novo momento da entidade Correios).

Correios

O dirigente dos Correios, Fabiano Silva, defende a ampliação do reconhecimento da instituição não apenas como prestadora de serviços postais, mas também pelo seu papel de utilidade pública.

Ao site Tele.Síntese, Fabiano Silva, afirmou que como tem agência dos Correios em todos os municípios pelo país, levar essa internet pública pode fazer a diferença em muitos locais

“Nós temos essa função social que é de estar presente em todos os municípios. Todo município que você vai tem uma agência.  Nós vamos querer colocar internet em todo lugar, pra que quando a pessoa chegar lá na ‘praça dos Correios’, em qualquer cidadezinha, possa acessar a internet”.

O representante dos Correios enfatiza que esse empreendimento de ligação está apenas em estágio preliminar de debate, inclusive a viabilidade de parcerias. Apesar disso, o objetivo é progredir com uma proposta tangível sobre o assunto ainda dentro deste ano.

Nova etapa da estatal Correios

Com uma malha composta por 9.456 pontos de serviço, distribuídos em 5.553 localidades, os Correios continuam avançando em seu plano de expansão. Conforme consta no Relatório Anual de Políticas Públicas e Governança Corporativa referente ao ano de 2022, a empresa estatal está apoiando negociações com as administrações municipais, implementando canais alternativos de atendimento e adotando medidas de aprimoramento para aumentar o atrativo da alocação de funcionários em áreas remotas, distantes dos centros urbanos.

A administração de Fabiano Silva ocorre durante um momento de reorganização da entidade. Os Correios faziam parte das empresas estatais incluídas no plano de privatizações do governo Bolsonaro. Com a eleição de Lula, há uma expectativa de que a empresa pública seja mantida e receba reforço de investimentos, o que já começou durante a transição.

No final de junho, o Conselho do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI) oficialmente recomendou a remoção de várias empresas públicas do Programa Nacional de Desestatização, incluindo os Correios. A equipe está trabalhando em alterações que serão implementadas nos próximos anos, incluindo o aprimoramento do modelo de negócios e a redefinição de seu posicionamento para contribuir com as políticas públicas.

“A comunicação é uma garantia que o estado brasileiro tem que dar para que todas as pessoas, em qualquer parte do país, tenham esse direito. Quem garante isso somos nós, os Correios”.

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários