27/02/2024

Amazon faz acordo com Google que libera Android em Fire TV

Big tech impedia que empresas parceiras instalassem sistemas operacionais não-oficiais do Android de TVs, o que é chamado de forks.

Por causa de um processo realizado na Índia entre Google e Amazon, as empresas chegaram a um acordo sobre o licenciamento de sistemas operacionais para televisores. Com isso, fabricantes de TVs, como TCL e Xiaomi, já anunciaram seus novos produtos instalados com o Fire OS.

O problema que envolvia as empresas em não usarem o sistema operacional da Amazon em seus televisores era a parceria com o Google, pois a bigtech impede que suas parcerias instalem variantes não-oficiais do Android de TVs, o que é chamado de forks. Caso essa determinação fosse descumprida, o Google encerrava o licenciamento do Android TV, e até a versão mobile.

Para nível de entendimento, as fabricantes que queriam usar o sistema Android em seus dispositivos, desde mobiles a Smart TVs, tinham que assinar um acordo de “Comprometimento de Compatibilidade Android” com o Google, impedindo o uso de forks do sistema operacional.

Embora o sistema tenha código aberto, a big tech só permite o uso de versões “oficiais” (autorizadas). Segundo a empresa, essa proibição tinha o objetivo de evitar a fragmentação do Android, o que garantiria que os consumidores tivessem acesso a aplicativos que rodem em todas as versões de dispositivos com sistemas Android, assim explica o Google.

Independente do motivo, o Google e a Amazon brigam desde 2015, sendo que no mesmo ano, a Amazon parou de vender o Chromecast e Google Home na loja online. Como resposta o Google retirou o YouTube dos dispositivos da Amazon. Somente em 2019 que as empresa chegaram a um acordo, e agora é possível acessar a plataforma de vídeo nos dispositivos da Amazon e comprar um Chromecast e Google Home na loja do Bezos.

Em 2021, o Competition Commission of India (Comissão de Competição da Índia, CCI), órgão indiano de regulamentação de mercado, iniciou uma investigação contra as práticas do Google em relação ao acordo com as fabricantes de TVs. O caso teve até envolvimento da Samsung, mas a Amazon foi a que mais criticou, afirmando que em seus contatos com as fabricantes, as mesmas tinham medo de sofrerem uma retaliação do Google caso lançassem smart TVs com o Fire OS.

Na conclusão do caso, o órgão aplicou multa de US$ 162 milhões a big tech e afirmou que o Google sua vantagem sobre o Android para realizar práticas abusivas de mercado.

Embora o Google ainda possa impedir o licenciamento do Android para smartphone, o que seria ruim para a Xiaomi e TCL, com o acordo, a interface Fire TV, presente no Fire Stick, deve ganhar mais espaço nas smart TVs Android. A TCL apresentou na semana passada, para o mercado europeu, a sua primeira linha com o Fire OS.

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários