Vivo anuncia redução de emissão direta de CO2 em 2021

Empresa adotou medidas que contribuíram para a otimização de insumos.

A Vivo comunicou aos seus investidores que reduziu a emissão direta de CO2 em 19%, em 2021. Segundo a operadora, foram utilizadas medidas que contribuíram para a otimização de insumos que mantêm sua operação e estruturas técnicas, como maior eficiência na frota de veículos e nas recargas de gases refrigerantes em equipamentos de ar condicionado. 

Mão segurando uma pequena árvore e o logotipo da Vivo ao lado
Foto: Reprodução Internet

A Vivo tem como objetivo ser “net zero” até 2025 considerando suas emissões diretas. De forma geral, ter uma política net zero significa zerar as emissões líquidas de gases de efeito estufa.

Para isso, a companhia tem feito investimentos em créditos de projetos para promover o manejo sustentável, evitando o desmatamento da Floresta Amazônica.

LEIA TAMBÉM:

–> Vivo lança campanha destacando assinatura com Globoplay

–> CEO da Vivo é o 1º brasileiro a copresidir a Força Tarefa de Digitalização no B20

–> Clientes da Vivo estão tendo seus planos alterados sem autorização; entenda

Em 2015, a Vivo começou a implantar a estratégia de redução de emissões, uso de energia renovável e energia consumida por volume de dados trafegados em rede. Com isso, o programa ambiental da tele já reduziu em 76% as emissões.

SEGUINDO O MESMO CAMINHO

Em 2021, a Netflix anunciou a meta de zerar as emissões líquidas de gases de efeito estufa até o final de 2022 e em todos os anos a partir de então.

Chamado de “Net Zero + Nature”, o plano consiste em reduzir parte das emissões de carbono e encontrar maneiras de compensar o resto.

Em 2020, a pegada de carbono da Netflix foi de 1,1 milhão de toneladas métricas.

Cerca de metade dessa emissão de CO2 (50%) foi gerada pela produção de filmes e séries originais do serviço de streaming, incluindo também conteúdo licenciado e feito por produtoras terceirizadas.

O restante (5%) da pegada de carbono é proveniente da transmissão do conteúdo, feito a partir do uso de provedores em nuvem da Amazon Web Services e da rede de distribuição de conteúdo Open Connect.

A empresa ressalta que não está incluso nessas emissões de carbono o que é gerado pela infraestrutura utilizada pelos clientes para assistir aos conteúdos da Netflix.

Carolina Veneroso
Carolina Veneroso
Jornalista, formada pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como repórter, redatora e com produção de conteúdo há 5 anos. Apaixonada por entrevistar e conhecer pessoas e novas histórias.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários
0
O que você acha? Comente!x