Operadoras são contrárias ao fim do roaming entre Brasil e Chile

Empresas alegam que medida pode tornar os serviços mais caros para todos os consumidores, inclusive para os que não viajam para o exterior.

Operadoras são contrárias ao fim do roaming entre Brasil e Chile

A Conexis Brasil Digital, entidade que congrega as operadoras de telecom no país, se manifestou contrária à proposta de tornar gratuito o roaming internacional para viajantes entre o Brasil e o Chile.

A medida faz parte do novo acordo de livre comércio entre os dois países, aprovado na última quarta-feira, 30 de junho, pela Câmara dos Deputados.

Apesar da preocupação dos deputados quanto a um possível aumento de preços, o texto foi aprovado e seguiu para análise do Senado, com a promessa de que o mesmo deve ser alinhado por meio uma legislação feita em conjunto com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, chegou a comemorar a aprovação do fim do roaming nas redes sociais.

VEJA TAMBÉM:

–> Acordo prevê fim do roaming entre Brasil e Chile

–> Investimentos em telecom ultrapassam os R$ 7 bilhões no primeiro trimestre

–> Operadoras pedem prioridade na vacinação de empregados

No entanto, as operadoras não ficaram tão contentes assim.

Segundo a entidade setorial, a mudança pode “gerar custos adicionais para todos os consumidores”, inclusive para aqueles que não fazem viagens internacionais.

A Conexis alerta que o fim do roaming pode prejudicar inclusive os consumidores de baixa renda.

Além disso, as empresas alegam que o texto gera insegurança jurídica no mercado e temor aos investidores, principalmente neste momento que o Brasil se prepara para a chegada do 5G.

Elas alegam ainda que o acordo de livre comércio interfere nos acordos comerciais que já existem entre as operadoras brasileiras e chilenas.

De acordo com a Conexis Brasil Digital, o setor pretende dialogar com o Senado Federal para apresentar essas dificuldades antes que a matéria seja analisada.

O acordo de livre comércio foi assinado em 2018, ficou paralisado no Congresso desde novembro de 2019 e só foi retomado recentemente.

O texto já foi aprovado pelo governo do Chile e aguarda aprovação do Brasil.

Com informações de Assessoria de Imprensa Conexis Brasil Digital.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários