29/02/2024

TIM retira patrocínio de canal após fala homofóbica em telejornal

Apresentador chamou homossexuais de ‘raça desgraçada’.

Imagem: YouTube/Reprodução

A operadora TIM encerrou o acordo comercial que mantinha com a RedeTV! e a TV A Crítica, após o apresentador do telejornal policial “Alerta Nacional”, Sikêra Jr., chamar homossexuais de “raça desgraçada”.

O caso ocorreu na última sexta-feira, 25 de junho, quando o apresentador comentava um novo comercial no Burger King (vídeo abaixo), em que crianças e adolescentes explicam que é normal ver homens e mulheres do mesmo sexo juntos.

Neste mês de junho é comemorado o Dia Internacional do Orgulho LGBT+.

“Vocês são nojentos. A gente está calado, engolindo essa raça desgraçada, mas vai chegar um momento que vamos ter que fazer um barulho maior”, afirmou Sikêra.

VEJA TAMBÉM:

–> Especial da Globo vai abordar diversidade e luta contra homofobia

–> TIM anuncia teclado para celular que combate a homofobia

–> Vivo lança projeto de capacitação para colaboradores trans

A TIM afirmou que suspendeu a veiculação de anúncios nos dois canais (que fazem parte do mesmo grupo de mídia), alegando que o programa de Sikêra Jr. dissemina discurso de ódio e fake news.

“Desde a semana passada, realizamos a suspensão da veiculação, que é automática pela plataforma de anúncio, nesse canal. Reforçamos que a TIM não está ligada a movimentos, nem compactua com disseminação de notícias falsas e discurso de ódio”, afirmou a TIM.

Vale lembrar que a TIM se tornou signatária Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+, na última quinta-feira, 24 de junho, além de promover programas internos de igualdade, inclusão e diversidade.

A operadora de telefonia não foi a única a encerrar o patrocínio com as emissoras.

Na lista está a construtora MRV, que pertence a Rubens Menin, proprietário do canal CNN Brasil, e que fazia o anúncio de empreendimentos no telejornal.

Também cortaram os investimentos a Hapvida, empresa de planos de saúde que opera nas regiões Norte e Nordeste.

Já o Magazine Luiza bloqueou a veiculação automática de anúncios no perfil no YouTube no qual eram publicados os vídeos do programa Alerta Nacional.

Outros patrocinadores dos canais estão sendo contatados pela Aliança Nacional LGBTQI+ para assegurar que o telejornal não continue sendo palco para “difamação e pânico moral”.

“Este senhor é recorrente em suas mentiras, ataques e agressividades. Entraremos na Justiça. LGBTfobia é crime, sim”, afirmou Eliseu Neto, coordenador da aliança.

Com informações de Notícias da TV.

16 COMENTÁRIOS

Se inscrever
Notificar de
guest
16 Comentários
Mais antigo
Mais recente Mais Votados
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários