Streaming: número de cancelamentos cresce no mundo inteiro

A bolha parece ter estourado antes mesmo do previsto; excesso de serviços pode ter fragmentado um mercado promissor.

Ilustração: Bolha com serviços de streaming
Imagem: Pixabay

Uma informação é certa: todos os gigantes querem estar no mercado de streaming. Atualmente, parece ser o negócio mais promissor do momento para as empresas de entretenimento.

Mas, a bolha pode estar começando a estourar, segundo dados recentes. A partir do segundo semestre do ano passado, a taxa de cancelamento nas plataformas subiu de 15% para 20%.

As informações são do Video Churn Today: Trends, Changes and Outlook 2021″, da Interpret.

Ainda são dados pequenos, especialmente se o número de novas assinaturas for levado em consideração.

VEJA TAMBÉM:

–> Runtime: Nova plataforma de streaming gratuita chega ao Brasil

–> Disney+ foi o único streaming a ter crescimento no último trimestre

–> Conheça o possível catálogo do STAR+, novo streaming da Disney

Portanto, não significa que o aumento dessa taxa já é uma grande preocupação para gigantes como a Netflix. Mas, a lógica pode alarmar que o terreno para as empresas de streaming não está mais fértil como antes.

O mercado atual está abarrotado e tende a crescer ainda mais. Somente no Brasil podemos destacar Netflix, Amazon Prime Video, Globoplay, Paramount+, Disney+, Telecine Play e futuramente HBO Max e STAR+.

A lista é ainda maior. Isso significa que os clientes estão com cada vez mais opções, o que configura dois cenários: ou está muito caro ter todas essas assinaturas, ou cardápio variado movimenta rotatividade.

Sobre essa última questão, 13% dos entrevistados na pesquisa afirmaram manter assinaturas somente para assistir a um determinado conteúdo.

Após o fim da série, por exemplo, cancelam seus vínculos com a empresa de streaming em questão.

São dados que não significam necessariamente que as marcas precisam ficar em alerta, ou que o mercado não é mais tão fértil como foi ano passado, durante a pandemia.

Mas a realidade é uma só: ficou mais difícil consolidar uma forte base de assinantes. Com tantas opções, os consumidores estão cada vez mais exigentes com variedades e conteúdo.

Quem vai ganhar é a indústria audiovisual, já que o conteúdo valerá ouro para fidelizar assinantes. Mas, a pirataria também é uma grande vilã e não pode ser esquecida na equação.

Com informações de Ricardo Feltrin (UOL)

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
6 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários