Satélites da Starlink vão levar 5G para áreas remotas

Empresa já fechou contrato com duas operadoras do setor de telecom e está negociando novos acordos.

Durante participação na Mobile World Congress (MWC21), o fundador da empresa SpaceX, Elon Musk, anunciou que fechou acordos estratégicos com duas operadoras relevantes do setor de telecomunicações.

Apesar de não divulgar o nome das empresas, o empresário bilionário disse que a parceria prevê o uso de satélites da rede Starlink para levar conectividade para áreas rurais.

A ideia é que a rede global de satélites ajude as operadoras a atingir um nível mínimo de cobertura móvel em regiões remotas, funcionando como um backhaul para redes 5G.

Além disso, a Starlink poderá oferecer conectividade para clientes situados fora da área de cobertura das operadoras.

VEJA TAMBÉM:

–> Viasat quer impedir que SpaceX lance mais satélites da Starlink

–> Equipamentos da Starlink recebem sinal verde da Anatel

–> Banda larga da Starlink se tornará móvel em breve, promete Musk

Musk também afirmou que está em negociações com outras empresas para contratos similares.

Ele aproveitou para ressaltar que o serviço de internet banda larga via satélite da Starlink funcionará como um complemento para as redes de fibra e 5G, e não um substituto.

A expectativa da Starlink é alcançar a marca de 500 mil clientes em um ano.

O preço do serviço ainda é um dos grandes impeditivos, com o equipamento custando em torno de US$ 500 (R$ 2.469,00 na cotação atual do dólar) e o serviço em torno de US$ 100 (R$ 493,80).

O empresário explica que o equipamento é caro, pois utiliza uma tecnologia que permite que o próprio cliente instale a antena, sem a ajuda do serviço de apontamento para o satélite feito por um técnico.

“É um produto que não precisa de instalação profissional. O usuário apenas aponta a antena para o céu e liga, só isso”, afirmou o empresário.

Elon Musk também lembrou que a empresa está subsidiando a venda dos equipamentos de recepção, pagando parte do valor do produto, esperando receber o retorno financeiro no longo prazo, com a oferta da banda larga.

Segundo Musk, até ter uma geração de caixa positiva, a Starlink deve consumir entre US$ 5 bilhões (R$ 24,59 bilhões) e US$ 10 bilhões (R$ 49,38 bilhões).

A Starlink já conta cerca de 1.500 satélites em órbita baixa, com uma capacidade somada de 30 Tbps.

Com informações de Teletime.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários