São Paulo propõe nova lei para facilitar implantação de antenas

Após decisão do STF, novo texto propõe silêncio positivo e regularização de estruturas atualmente irregulares.

São Paulo propõe nova lei para facilitar implantação de antenas

A Prefeitura de São Paulo propôs nesta semana uma nova Lei das Antenas para o município.

O projeto de lei nº 347/2021 visa simplificar o licenciamento de infraestruturas de telefonia móvel, seguindo o que já é previsto pela legislação federal.

No final do ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) tornou inconstitucional a Lei nº 13.756/2004, da cidade de São Paulo, que regulava a instalação de antenas no município.

A legislação era criticada pelas operadoras por estar desatualizada e dificultar a implantação de novas torres na cidade.

VEJA TAMBÉM:

–> Por falta de lei, São Paulo enfrenta problemas com implantação de antenas 5G

–> Governo Federal publica decreto que regulamenta Lei das Antenas

–> Governo pretende acelerar votação do PL que modifica a Lei das Antenas

O novo texto foi assinado pelo atual prefeito paulistano, Ricardo Nunes (MDB/SP), que pediu urgência no processo de aprovação pela Câmara do município.

Uma das mudanças propostas é a possibilidade de instalar estações radiobase (ERBs) em qualquer logradouro, independente da largura da via.

Além disso, foi estipulado o período de 60 dias para que a prefeitura dê um retorno às empresas sobre os pedidos de licenciamento de novas antenas.

Caso o prazo não seja cumprido pela administração pública, o pedido é automaticamente aprovado, o chamado “silêncio positivo”.

“Transcorrido o prazo fixado, o silêncio da autoridade competente importará a aprovação tácita para todos os efeitos”, afirma o projeto de lei.

Também é previsto no texto um prazo de 60 dias para regularização de estruturas atualmente irregulares, assim como a possibilidade de instalação de ERBs independentemente da regularidade do imóvel.

A Lei de Antenas na cidade de São Paulo é debatida há anos pela Câmara.

A nova lei foi acelerada com a decisão do STF de tornar ilegal a legislação de 2004.

Apesar de a Câmara paulistana tentar reverter a decisão do Supremo, foi mantido por unanimidade o entendimento de inconstitucionalidade, segundo acórdão publicado nesta última quarta-feira, 2 de junho.

O relator foi o ministro do STF, Alexandre de Moraes.

Com informações de Teletime.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
4 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários