Nossos celulares estão sempre nos escutando?

Com as assistentes virtuais encarnando em cada vez mais dispositivos, essa dúvida pode vir à tona.

Seu celular possui uma assistente virtual dentro dele, como a Siri da Apple ou a Google Assistente. Sua televisão também pode ter uma, assim como sua caixinha de som.

É crescente a lista de equipamentos que vêm contando com o auxílio de uma inteligência artificial, mas aqui vamos focar naquelas presentes em nossos smartphones, sempre em nossas mãos e bolsos.

O funcionamento é o mesmo de qualquer forma. A dúvida principal é se elas estão sempre nos escutando, cada palavra que sai de nossas bocas. A resposta curta pode ser assustadora, mas é: sim.

Antes de se permitir ter calafrios, as coisas não são tão pavorosas quanto se possa imaginar a princípio. O negócio funciona como nossos ouvidos: sempre ligados mas nem sempre prestando atenção.

VEJA TAMBÉM:

–> Assistente virtual da TIM é oficialmente lançada

–> Vivo integrará plataforma Aura ao Google Assistente

–> Público define o nome do assistente virtual da Oi

Para as assistentes, uma palavra-chave é “hey Google”, ou “Alexa“. Já para nós humanos, pode ser nosso nome. É o que nos chama a atenção para focar no que estão dizendo.

E quando você presta atenção no que estão dizendo, está gravando aquelas palavras para consultar depois. Outro paralelo que podemos fazer sobre as assistentes virtuais é em relação aos cachorros.

Esses animais conseguem ouvir, mas nem sempre entender. Eles podem até reconhecer algumas palavras, mas estão apenas nos ouvindo sem compreender.

Isso tudo é para dizer que escutar não é o mesmo que gravar. As assistentes virtuais precisam conseguir ouvir a todo momento para que possam detectar quando estão sendo chamadas.

Só a partir deste momento é que começam a gravar. Uma combinação de hardware, software e conexão com a internet permite que elas entendam o que estamos falando.

Algoritmos tentam interpretar sua voz com base em padrões de fala e assim identificam palavras-chave. A partir daí é que a Siri ou a Google Assistente em seu celular consegue trazer uma resposta para o seu questionamento.

Parte desse processo acontece localmente e, após passar por uma série de camadas de detecção, a gravação é enviada para a nuvem da desenvolvedora do sistema operacional.

Você pode ter acesso a essas gravações nas configurações de sua conta e até mesmo apagar elas ou configurar um intervalo para exclusão automática, como no Google.

A propósito, a gigante das buscas não armazena essas gravações de voz por padrão até que o usuário autorize que isso seja feito e vem aplicando esta medida desde o ano passado.

Para concluir, não tem como contornar o fato de que ao usar uma assistente virtual estamos abrindo mão de um pouco de privacidade.

Porém as desenvolvedoras destas inteligências artificiais dão ferramentas para que possamos minimizar os riscos e ter mais controle sobre o que é recordado.

Mas não se preocupe, enquanto elas podem ouvir tudo o que nós falamos, gravar o tempo todo não é uma possibilidade. Então elas não são tão assustadoras assim.

Elas não vão fofocar sobre você 24 horas por dia, mas quando necessário para que funcionem e somente após uma determinada palavra-chave, é que vão gravar sua voz para te entender e te responder.

Com informações de How to Geek

Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários