Mais de 100 mil aparelhos de ‘TV Box’ são confiscados pela Anatel

Apesar do número expressivo de apreensão dos aparelhos, ação ainda não é suficiente para combater a explosão de IPTVs piratas.

Modelo de TV Box. Imagem: Divulgação
Modelo de TV Box. Imagem: Divulgação

O combate à pirataria parece cada vez mais acirrado em 2021. Em pouco tempo, a Anatel já realizou aquela que pode ser chamada como a maior apreensão da agência em anos. Foram quase 600 mil aparelhos de TV Box confiscados, junto com os outros dispositivos.

Na lista, somam-se decodificadores piratas de TV paga, carregadores, baterias e até mesmo roteadores.

Na ação, a agência faz uma parceria com a Receita Federal e cumpre o objetivo do Plano de Ação de Combate à Pirataria (PACP).

A ideia é retirar equipamentos irregulares e sem homologação da Anatel no mercado. O combate é visto como ainda mais acirrado em 2021 por causa dos números expressivos.

VEJA TAMBÉM:

–> Usuários de IPTV pirata começam a receber cartas de alerta

–> Brasil pode ganhar mais uma IPTV grátis (com streaming de vídeo)

–> Brasil tira do ar 252 sites IPTV e 65 aplicativos streaming piratas

Para se ter uma ideia, em apenas um trimestre a Anatel retirou mais equipamentos ilegais do mercado do no ano de 2020 inteiro.

Foram 542 apreensões no último ano. No entanto, há muitas complexidades nessas ações e no objetivo delas. Um aparelho de TV Box, por exemplo, não deve ser automaticamente associado com pirataria.

O trabalho da Anatel consiste em apenas retirar dispositivos ‘clandestinos’ do mercado, que sequer passam pela fiscalização exigida.

Coincidência ou não, praticamente todos são usados com a finalidade de vender apps com conteúdo pirata de IPTV.

Mas, só são eficazes para quem não possui uma TV com variedade de aplicativos, ou até mesmo um aparelho de TV Box legalizados.

Entre os legalizados, os mais famosos são o Fire Stick, da Amazon, Mi Box, da Xiaomi, Roku Express e vários outros.

Para um combate contra a explosão das IPTVs piratas, por exemplo, é necessária uma ação mais profunda.

Afinal, aplicativos com capacidade de hospedagem desse conteúdo ilegal podem ser encontrados facilmente em qualquer dispositivo.

Com informações de Terra

About Anderson Guimarães
Jornalista com seis anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários