Funcionários da LG no Brasil entram em greve

Fabricante anunciou que pretende interromper a produção de smartphones e fechar fábricas.

Nesta segunda-feira, 12 de abril, cerca de 700 funcionários da fábrica da LG em Taubaté/SP entraram em greve por tempo indeterminado.

Os trabalhadores rejeitaram a proposta de indenização para o encerramento da produção na fábrica.

Na semana passada, a LG anunciou que a partir de 31 de julho de 2021 pretende parar de produzir smartphones em todo o mundo.

No comunicado, a empresa coreana havia informado que o destino dos empregados das fábricas seria decidido localmente, em cada país.

VIU ISSO?

–> Falta de chips pode elevar preços dos smartphones

–> Celulares podem ficar até 5% mais baratos a partir da próxima semana

–> Anatel homologa três novos smartphones 5G

No caso do Brasil, o Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté e Região (Sindmetau) afirma que a LG pretende transferir a fabricação de notebooks e celulares de Taubaté para Manaus, onde a empresa teria mais incentivos fiscais.

A expectativa é que mais de 1 mil funcionários sejam demitidos.

Na proposta apresentada ao Sindmetau, a LG propôs aos trabalhadores extensões de planos médicos, indenização de acordo por tempo de casa, qualificação profissional, entre outros.

Porém, a proposta foi rejeitada, mesmo com a fabricante afirmando ser o máximo que ela pode oferecer, inclusive dizendo já estar no limite.

Além dos funcionários em Taubaté, mais três fábricas que produzem componentes para a LG entraram em greve nesta terça-feira, 13 de abril.

Os 430 trabalhadores da Blue Tech e 3C, em Caçapava (SP), e Sun Tech, em São José dos Campos (SP), estão ameaçados de demissão.

“Caso se esgotem as possibilidades de permanência das fábricas na região, a luta será para garantir que todos benefícios pagos aos trabalhadores da LG sejam estendidos às funcionárias da Blue Tech, Sun Tech e 3C”, diz o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, em nota.

A entidade também entrou com uma representação no Ministério Público do Trabalho (MPT) para apresentar denúncia contra a LG, por promover uma demissão coletiva em plena pandemia da Covid-19.

O sindicato também acusa a LG de falta de negociação prévia, de transparência e de boa-fé.

Com informações de Teletime e Correio Brasiliense.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários