Credores da Oi recusam oferta e podem atrasar captação de R$ 75 bi

Negociação faz parte do processo de recuperação judicial da operadora.

Logotipo da Oi em amarelo com o fundo azul.
Logotipo da Oi (Imagen: EFE).

O plano da Oi (OIBR3) de captar cerca de R$ 7,5 bilhões, valor que deve ajudar a empresa a cumprir seus planos de recuperação judicial, deve ser adiado por mais algum tempo.

É que os credores da companhia não estão de acordo com o valor proposta pela Oi a respeito do Consent Fee para que seja autorizada a emissão de R$ 2,5 bilhões em debêntures da InfraCo, que é sua divisão especializada em fibra óptica.

A discordância também vale para um empréstimo ponte de até R$ 5 bilhões da Oi Móvel. Por isso, acabou sendo aberta uma negociação conduzida pelo escritório brasileiro Padis e Mattar e pelo americano Davis Polk, que representa os donos de títulos de dívida emitidos no exterior (bondholders).

No entanto, como as negociações não chegaram a um denominador comum, as conversas foram prorrogadas para o dia 19 de março.

Seguindo a determinação legal da legislação estadunidense, a operadora tornou público na Securities and Exchange Comission (SEC), que é o órgão regulador do país, o pedido de consentimento para as duas operações há mais de uma semana.

VIU ISSO?

–> Ministério Público quer fim da recuperação da Oi em 12 meses

–> BNDES contesta data fim da recuperação judicial da Oi

–> Aditamento da recuperação judicial da Oi é homologado pela Justiça

Segundo o documento, a tele afirma que pretende pagar US$ 5 por cada US$ 1 mil em bonds, como prêmio aos donos de títulos de dívida.

No entanto, os credores consideraram o valor abaixo de suas expectativas e questionam outros pontos do plano de capitalização da empresa.

Para conseguir fazer sua proposta avançar, a Oi precisaria ter aprovação de 50% mais um dos detentores de R$ 1,65 bilhão em bonds emitidos em 2017.

Se essa prêmio oferecido pela operadora fosse aceito, isso resultaria para a empresa um gasto de US$ 4 milhões, o que representa cerca de R$ 22,15 milhões.

O prêmio proposto pela operadora faz parte tanto da escritura de bonds renegociadas em 2017 quanto do adiantamento da recuperação judicial aprovado em 2020.

A Oi está se comprometeu com a emissão de debêntures e a venda de até 51% da InfraCo, bem como com o empréstimo ponte e a venda da operação móvel, cujo leilão está sendo investigado por causa de uma suposta prática de consórcio entre as operadoras Claro, TIM e Vivo.

O objetivos dos financiamentos são reerguer as operações da companhia e permitir que as suas dívidas sejam honradas.

Com informações de Estadão.

Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários