Anatel lançará consulta pública de simplificação de serviços no segundo semestre

Depois de publicada, consulta ficará disponível para receber propostas da sociedade durante 60 dias.

Fachada da Anatel.
Imagem: Alan Marques/Folhapress.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) deve concluir, ainda neste semestre, o processo de alteração e revogação de mais de 50 resoluções expedidas pela agência.

Esse mecanismo, conhecido como “Guilhotina Regulatória”, serve para promover a revogação de atos normativos considerados obsoletos.

Isso acontece porque os avanços tecnológicos pedem a extinção de algumas exigências que deixam de fazer sentido, como a obrigação das operadoras de oferecerem o serviço de caixa postal aos usuários, o que acabou deixando de fazer sentido com a disponibilização de diversos aplicativos de mensagens instantâneas.

Entre outras exigências que podem ser extintas, está a necessidade de distribuição obrigatória de listas telefônicas e da publicação de planos de telefonia em jornais de papel.

De autoria do conselheiro, Emmanoel Campelo, a proposta visa tanto diminuir a quantidade de normas quanto agilizar o trabalho da agência regulatória.

VIU ISSO?

–> Anatel define ‘obrigações’ dos provedores regionais; conheça

–> Decisão da Anatel pode transformar streaming e TV paga

–> Anatel quer 4.883 municípios com fibra até 2023

O objetivo da Anatel é lançar, no segundo semestre deste ano, a consulta pública que vai receber propostas da sociedade, durante 60 dias, para alteração da regulamentação e simplificação dos serviços.

As contribuições e sugestões deverão ser fundamentadas e devidamente identificadas e, posteriormente, encaminhadas, por meio do formulário eletrônico do Sistema Interativo de Acompanhamento de Consulta Pública (SACP), assim que a consulta pública for publicada.

Segundo o superintendente de Planejamento e Regulação da Anatel, Nilo Pasquali, esse processo não vai resultar no surgimento de um serviço único, porque vários deles são regidos por diferentes dispositivos legais e infralegais. No entanto, pode haver um grande avanço, em relação a simplificação de regras.

Ainda assim, Pasquali acredita que pode haver a unificação de alguns serviços. Como exemplo, ele afirma que todos os serviços fixos poderiam passar a ter as mesmas regras, bem como os serviços móveis.

Pasquali também destacou os avanços desse processo de eliminação de normas, pensado desde 2013. Isso poque, apenas 39% das 740 resoluções publicadas pela Anatel estão em vigor atualmente.

Com informações de Telesíntese.

Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários