Oi e Claro podem comprar vacinas de Oxford/AstraZeneca

Operadoras foram convidadas para integrar um consórcio que negocia a aquisição dos imunizantes; saiba mais detalhes.

Ilustração Pixabay
Imagem: Pixabay

As operadoras Oi e Claro podem estar entre as empresas que tentam adquirir as vacinas contra a COVID-19, desenvolvidas pela Universidade de Oxford e a fabricante AstraZeneca.

O movimento, mesmo sem qualquer declaração do tipo, é visto até como um posicionamento contra o negacionismo do presidente Jair Bolsonaro.

As outras companhias envolvidas na ação são Petrobrás, Gerdau, JBS, Ambev, Whirpool e ADN Liga. Um total de nove corporações.

A ideia é que todas, juntas, consigam importar 33 milhões de imunizantes contra o novo coronavírus.

VIU ISSO?

–> Claro net libera canal na TV por assinatura e NOW

–> Oi TV fibra ganha acesso à Netflix

–> Oi confirma recebimento de propostas pela InfraCo     

Metade desse número seria destinado ao SUS e a outra parte seria enviada para funcionários e familiares das empresas envolvidas.

Marcas como Vale, Itaú, Santander e Vivo também foram convidadas, mas já negaram que tenham interesse em participar da ação. As outras não se manifestaram.

A negociação, obviamente, é feita com o Ministério da Saúde. Mais empresas devem ser convidadas para uma participação na iniciativa.

Por trás, há o interesse de garantir imunização pelo menos para parte das equipes de colaboradores e continuar as atividades comerciais.

O movimento ganhou ainda mais força depois que a imprensa divulgou sobre as dificuldades que o Governo Federal enfrenta para comprar os insumos necessários para a produção das vacinas.

A quantidade desejada pelas empresas é exatamente o número divulgado pela AstraZeneca com estoque para chegar ao Brasil em fevereiro.

No entanto, Eduardo Pazuello, ministro da Saúde, já destacou que a prioridade é o SUS. As empresas só poderão adquirir quando a demanda do sistema for suprida.

[ATUALIZAÇÃO – 25/01/2021 16h39]:

Em contato com o Minha Operadora, a assessoria de imprensa responsável pela Claro negou que a empresa faz parte do referido grupo.

Com informações de Folha de S.Paulo

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
7 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários