Estudantes de baixa renda terão plano com até 40 GB

Claro, Algar Telecom e Oi foram as operadoras escolhidas para o fornecimento; cerca de 400 mil alunos serão beneficiados.

Ilustração Wallpaper Flare
Imagem: Wallpaper Flare

O Ministério da Educação (MEC) anunciou os detalhes da operação que vai disponibilizar chips com internet para alunos de baixa renda das instituições federais de ensino. A ideia, obviamente, é promover o acesso ao ensino remoto, adotado em função da pandemia do novo coronavírus.

Em pronunciamento, o Milton Ribeiro, ministro da Educação, assumiu que a iniciativa chegou “um pouquinho tarde”, a julgar que todo esse problema perdura quase cinco meses de duração e muito debate.


As operadoras escolhidas para o fornecimento foram Claro, Algar Telecom e Oi, mas se houver “vácuo” de sinal em alguma região, outras operadoras poderão ser contratadas para suprir a demanda.

Na principal operação, a Claro vai atender 767 municípios no país. Já a Algar Telecom vai cobrir as regiões de Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso, ou seja, 28 municípios.

A Oi vai complementar o serviço em 601 municípios, onde houver muita variação de sinal da Claro.

Os estudantes serão divididos em grupos: o primeiro com renda mensal familiar de até meio salário mínimo (que terão prioridade), o segundo com a totalidade desse valor e o terceiro com um e meio.

VIU ISSO?

–> Algar Telecom é contratada pelo MEC

–> Franquia da Algar Telecom fatura R$ 260 milhões anuais

–> Claro pretende oferecer novo serviço de TV por assinatura, diz site

Alunos que já possuem acesso terão um incremento entre 10 GB e 40 GB no plano de dados.

Já os que não possuem acesso vão receber chips pré-pagos com capacidade de 5 GB a 40 GB.

Segundo os dados do MEC, há aproximadamente 900 mil estudantes em situação de vulnerabilidade no país. O Ministério vai conseguir atender 400 mil, cerca de 45% do total desse número.

Com informações de Ministério da Educação

A SKY tem o plano ideal para a sua TV! Aproveite já com 50% de desconto no primeiro mês. Ligue 0800 123 2040.

COMPARTILHAR EM:

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
2 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários
Sam_GD

palhacada, como se isso fosse resolver, só um video no youtube deve consumir o que, uns 300mb?

Cidade - UF
Sao carlos - SP
gustavosilva

Acho que a partir de 40GB serve para assistir videoaulas em resolução média, menos que isso acho que não. Seria mais útil se governo tivesse feito um contrato com acesso ilimitado a um determinado aplicativo onde seria dado as aulas, ao invés de dar um número qualquer de dados sem nenhuma base sobre a demanda de consumo.

Cidade - UF
Maceió