Claro vai começar a competir com bancos

Operadora quer aumentar seu catálogo de serviços e passará a trabalhar com Bitcoin e criptomoedas.

Ilustração Claro e Bitcoin
Imagem: Aleksi Räisä (Unsplash)

Será que as operadoras se preparam para um futuro onde não conseguirão sobreviver de telecomunicações, ou a ideia é apenas expandir o campo de atuação para segmentos diversos?

Em qualquer uma das opções, a Claro (BMV: AMXL) se prepara para competir com os bancos tradicionais. A prestadora pretende lançar serviços baseados em criptoativos.


No mercado, a Vivo (VIVT3), que é a principal concorrente, já trabalha com esse tipo de demanda e disponibiliza empréstimos para seus usuários. No entanto, os valores são cedidos pelo banco Digio, controlado pelo Bradesco e Banco do Brasil.

Os serviços financeiros que a Claro vai disponibilizar terão o Banco Inbursa por trás, entidade que também pertence ao bilionário Carlos Slim, dono da América Móvil, controladora da operadora.

VIU ISSO?

–> Claro vai indenizar cliente por ‘desvio produtivo’

–> Claro faz holograma em demonstração 5G

–> NOW, da Claro NET, ainda se destaca mas não é imbatível

Portanto, a empresa poderá fazer frente aos tradicionais bancos brasileiros com a sua proposta, diferente da concorrente Vivo.

Mas não são apenas empréstimos e seguros que são cogitados nas mesas de reunião da operadora. A ideia é atender clientes desbancarizados e aproveitar o potencial do Bitcoin e das criptomoedas para chegar no mercado.

Mauricio Santos, diretor de soluções e produtos financeiros da Claro, vê muito potencial na atuação. Ele explica que esse mercado vai mudar muito nos próximos anos e uma parcela da população já não utiliza bancos.

Parte só tem o cartão do Bolsa Família e usa uma vez por mês no saque do benefício. (…) Vemos potencial para diferentes áreas como seguros, meios de pagamentos, educação financeira, criptomoedas e bancos digitais”, destacou o executivo.

A curiosidade surge, mas tudo ainda é um mistério, já que a Claro não revelou qual será o plano de atuação e os produtos lançados para o mercado de criptoativos. A companhia pesquisa sobre o uso de blockchain e criptomoedas desde 2018.

Com informações de Cointelegraph Brasil

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.

1
Deixe um comentário

Por favor, faça login para comentar
  Acompanhar esta matéria  
o mais novo mais antigo mais votado
Notificação de
Valter Piovani
Colaborador

20 dias para fazer uma simples portabilidade de celular, imagina para fazer uma transferência bancária …….

Cidade - UF
SÃO PAULO