Novos celulares da Huawei já não tem componentes fabricados nos EUA

Chips americanos foram substituídos por equivalentes feitos por empresas europeias e asiáticas.

Segundo análise realizada pelas empresas UBS e Fomalhaut Techno Solutions, os novos aparelhos da Huawei, como o Mate 30 e o YS Prime 2019, não utilizam nenhum chip fabricado por empresas dos EUA.

Mesmo após bloqueio comercial do governo de Trump, a gigante chinesa não enfrentou muita dificuldade ao substituir componentes das americanas Cirrus Logic, Qorvo, Qualcomm e Skyworks.


Os smartphones mais recentes já estão saindo de fábrica com chips equivalentes de empresas europeias ou asiáticas.

Por exemplo, amplificadores de áudio da Cirrus Logic foram substituídos pelos fabricados na holandesa NXP Semiconductor, switches de antena da Qorvo por produtos da japonesa Murata e modens da Qualcomm e Skyworks são adquiridos na HiSilicon, subsidiária da Huawei.

VIU ISSO?

–> Governo não vai restringir tecnologia chinesa, diz Marcos Pontes

–> EUA proíbem operadoras de utilizarem equipamentos da Huawei

–> Trump estende licença para que empresas dos EUA negociem com Huawei

A franco-italiana STMicroelectronics e a taiwanês MediaTek também estão fornecendo componentes para a Huawei. Além disso, a chinesa também produz os seus próprios processadores.

A companhia também afirmou que está transferindo o seu centro de pesquisas dos Estados Unidos para o Canadá, em resposta às sanções americanas. O governo dos EUA diz que a empresa é um risco de segurança, argumento que a Huawei nega, e anunciou restrições em maio quanto ao acesso a componentes e tecnologia americanos.

Atualmente, a Huawei é a segunda marca global de smartphones e a maior fabricante de equipamentos de rede para operadoras de telefonia.

Com informações de Olhar Digital e The Washington Post.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.

Deixe um comentário

Por favor, faça login para comentar
  Acompanhar esta matéria  
Notificação de