Trump estende licença para que empresas dos EUA negociem com Huawei

Adiamento beneficiará operadoras locais que atendem áreas rurais do país.

Parece que a novela da Huawei com o presidente Donald Trump está longe de chegar a um fim. Nesta segunda-feira, 18, o governo dos EUA decidiu estender por mais 90 dias o prazo para que as empresas americanas deixem de negociar com a gigante chinesa. O motivo é para que os provedores de serviços continuassem a atender áreas rurais do país, que seriam deixadas no escuro.

Em maio, Trump havia impedido que equipamentos da Huawei fossem utilizados nas redes de comunicações americanas, após Washington descobrir que a empresa violou as sanções dos EUA ao Irã e tentou bloquear uma investigação posterior.


Além disso, autoridades dos EUA afirmam que a empresa é utilizada como ferramenta de espionagem de Pequim, o que seria uma ameaça à segurança nacional. Desde então, comprar tecnologia da Huawei só pode ser feita por meio de aprovação prévia do governo.

A licença atual permite apenas transações específicas e limitadas, envolvendo exportações e reexportações.

VIU ISSO?

–> EUA pretende financiar empresas concorrentes da Huawei

–> Huawei produzirá estações 5G sem componentes americanos

–> Governo americano deve gastar US$ 1 bilhão para se livrar da Huawei

Em entrevista, o secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross disse que prestadoras precisam dessa extensão, pois elas ainda dependem da Huawei para oferecer redes 3G e 4G.

“O departamento continuará monitorando rigorosamente as exportações de tecnologia confidencial para garantir que nossas inovações não sejam aproveitadas por aqueles que ameaçam nossa segurança nacional”, disse Ross.

Esta é a terceira extensão da licença, encerrando em 16 de fevereiro de 2020.

Com informações de Voice of America.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.

Deixe um comentário

Por favor, faça login para comentar
  Acompanhar esta matéria  
Notificação de