Expansão do 4G pode ser obrigatória para a chegada do 5G

Na nova proposta do leilão 5G da Anatel, operadoras podem ser obrigadas a cobrir regiões não contempladas com tecnologia 4G ou superior.

Ilustração Torre
Imagem: Pixabay

O Brasil terá a chance de ser um dos primeiros, mas também poderá ser um dos últimos na adoção do 5G. É o que comentou Rafael Steinhauser, presidente da Qualcomm no Brasil. O executivo foi um dos participantes do debate sobre o implante da tecnologia na Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados.

Junto dele, empresas de telecomunicações, emissoras de TV, entidades da sociedade civil e autoridade regulatórias participaram da audiência. No diálogo, houve um consenso: o potencial transformador da introdução do 5G.


A Internet das Coisas, inclusive, foi muito destacada entre os impactos sociais e estratégicos que a nova conexão móvel trará.

“A comercialização do 5G está mais rápida que a do 4G. Países reconheceram a importância vital que o 5G vai ter e todos se lançaram a colocar redes no ar. O 5G está sendo lançado em todos os países da Europa. O Brasil pode ter chance de ser dos primeiros ou dos últimos da América Latina a lançar. Vai depender de nós. No Brasil ainda nem temos definição exata de como será o processo licitatório e como será licitado o espectro. Sem ele não funciona, pois precisa de muita banda”, comentou Rafael Steinhauser.

VIU ISSO?

–> Governo não vai restringir tecnologia chinesa, diz Marcos Pontes

–> Ericsson pretende investir R$ 1 bilhão no Brasil

–> 5G e antenas parabólicas podem coexistir, diz relatório

Pelo comentário de Rafael, chegamos ao maior problema do lançamento, o leilão de espectro. Agendado para março do próximo ano, o evento acabou adiado para meados de 2020, com possibilidades de ficar para 2021.

O motivo? Foi comprovado que a tecnologia terá interferência no sinal da TV por parabólica. Wender Souza, representante da Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abratel), enfatizou a polêmica.

O executivo destacou que a TVRO está presente em 22,1 milhões de lares no Brasil, principalmente em rincões do país, locais em que outras tecnologias para transmissão de canais não chegam.

“O problema da vez para dar segurança ao leilão é o que fazer com a TVRO. Precisamos dar uma solução definitiva. Defendemos tirar toda a base receptora da televisão doméstica da banda C e migrar para banda Ku. Além disso, que sejam distribuídos kits de recepção para a banda ku para população do cadastro único”, destacou Wender Souza.

Entretanto, a Anatel já circula uma proposta para o leilão. O documento, inclusive, já foi entregue ao Conselho Diretor. Entre as obrigações previstas, as operadoras terão que atender localidades não contempladas com tecnologia 4G ou superior.

Há também uma meta de cobertura. Nela, 95% das áreas urbanas de cidades com menos de 30 mil habitantes precisam estar cobertas pela atual geração ou superior. A ampliação dos backbones, que viabilizam a fibra ótica, também poderá ser exigida.

Com informações de ComputerWorld

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.

3
Deixe um comentário

Por favor, faça login para comentar
  Acompanhar esta matéria  
o mais novo mais antigo mais votado
Notificação de
Jean Michel Skaleé
Colaborador
Jean Michel Skaleé

E estão errados? Para investir em 5G já deveria ser pré requisito a muito tempo ter obrigatoriamente 4G em todas as cidades onde possui antenas.

Cidade - UF
Marechal Candido Rondon -PR
Carlos Barros
Colaborador
Carlos Barros

A cobertura 3G ainda não é 100%, a 4G vai demorar muito.

Cidade - UF
Ceará
Marcelo Alves
Colaborador
Marcelo Alves

As operadoras não vão instalar o 4G e 5 G nas regiões com menos de 30 mil habitantes e se Anatel multar ,as operadoras conta mais uma mentira, vão fazer a cobertura, aí a Anatel tira a multa,as operadoras engana mais uma vez os brasileiros.

Cidade - UF
Cubatão