Oi coloca 8 mil imóveis à venda e prevê lucro de até R$ 2 bilhões

Iniciativa é parte do plano estratégico que pretende recuperar o caixa da companhia.

Divulgação da Oi nas redes sociais
Imagem: Divulgação Oi

Só se fala em venda, mas a Oi (OIBR3 / OIBR4) está otimista e planejada em relação ao seu futuro. A companhia sequer fomentou ou confirmou os boatos sobre venda da operação móvel, apesar de concorrentes como Vivo e TIM terem manifestado interesse publicamente.

Em entrevista recente, Rodrigo Abreu, atual diretor de operações da tele carioca, comentou que a empresa segue focada na expansão da fibra ótica para alavancar os negócios digitais e recuperar a receita perdida com a rede de cobre.


O executivo se refere ao plano estratégico divulgado em julho como uma iniciativa sólida e direcionada para três atos: a venda de ativos não estratégicos, uso de créditos fiscais ganhos e emissão de dívida garantida.

Na venda de ativos, há um grupo imobiliário com oito mil imóveis e todos com altos valores. Os processos são mencionados como “grandes ativos” por Abreu e os prédios não possuem qualquer ocupação de concessão. O lucro estimado é entre R$ 1,5 bilhão e R$ 2 bilhões.

A dívida garantida, para melhor entendimento, são empréstimos calçados em ativos ou expectativas de receitas. O potencial é que a companhia consiga valores que podem chegar até R$ 4,5 bilhões e perfaça um total que pode chegar a R$ 15 bilhões em um curto intervalo de tempo.

VIU ISSO?

–> Novo plano estratégico da Oi destaca expansão da fibra ótica

–> Oi anuncia plano de 16 GB por R$ 59,90 com apps ilimitados

–> Oi sairá da Unitel a partir de outubro

É uma das grandes apostas da marca para recuperar o caixa e se livrar das dívidas. Já os créditos fiscais somam R$ 3,1 bilhões e já são utilizados nos impostos federais.

O grande otimismo da Oi é concentrado na fibra ótica. Na visão da operadora, a tecnologia vai contribuir até mesmo para viabilizar a conectividade de quinta geração. É um recurso que será massificado, assim como todos os serviços possibilitados pela expansão dele.

Abreu destaca a possibilidade de dobrar o negócio de atacado com a chegada do 5G e os investimentos serão direcionados a isso.

Conexões para IPSs com outras operadoras foram anunciadas para levar a fibra até as antenas. Assim, a Oi vai equipar a própria rede e a de outras prestadoras para o 5G via compartilhamento de dutos.

Há uma expectativa de receita para o atacado estimada em R$ 3 bilhões entre 2023/2024.

Com informações de Convergência Digital

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.

2
Deixe um comentário

Por favor, faça login para comentar
2 Número de Comentários
0 Número de Respostas
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Comentário com mais interação
1 Autores de comentários
Marcelo Alves Autores recentes de comentários
  Acompanhar esta matéria  
o mais novo mais antigo mais votado
Notificação de
Marcelo Alves
Colaborador
Marcelo Alves

Uma empresa que deve mais de 60 bilhões sem imóveis , é um pulo para um calote , aguardem e verá .

Cidade - UF
São Paulo
Marcelo Alves
Colaborador
Marcelo Alves

Vão vender os imóveis e depois dividir o dinheiro com os acionistas e pagar as contas, acabou as garantias para pegar dinheiro no mercado ,vão ir para falência ,a empresa está devendo muito dinheiro e investiu nada no 4G , quando uma empresa adquire uma dívida adquiriu bens, onde está esses bens que não estão pagando o investimento que foi feito .

Cidade - UF
São Paulo