InícioEconomia e NegóciosGestora internacional pretende comprar até 10 provedores no Brasil

Gestora internacional pretende comprar até 10 provedores no Brasil

HIG está de olho no crescimento do mercado de fibra óptica no país.

A gestora de investimentos norte-americana HIG Capital está analisando a possibilidade de compra de até provedores regionais do interior do estado de São Paulo.

Atualmente, a HIG possui um portfólio de 18 ativos no Brasil, de diferentes setores, entre eles a Cel Lep, Eletromidia, Nadir Figueiredo e Tecfil.


Entretanto, a empresa de investimentos tem despertado interesse no segmento de infraestrutura de telecomunicações, principalmente na internet por fibra.

Recentemente, a HIG comprou 60% da operadora Desktop, situada em Sumaré, no interior de São Paulo.

VIU ISSO?

–> Anatel quer trocar informações com apps de medições da banda larga

–> SpaceX inicia ‘pré-venda’ de internet da Starlink no Brasil

–> Vivo possui a melhor banda larga do Brasil, segundo a nPerf

É a partir desta aquisição que a empresa pretende comprar provedores regionais com mais de 10 mil clientes e com receita em torno de R$ 10 milhões.

A Desktop já conta com 15 mil km de rede de fibra implantada e a expectativa é investir R$ 300 milhões para chegar a 25 mil km em 2021.

A operadora terminou o ano com 230 mil clientes e espera chegar a 500 mil até o fim deste ano.

A HIG garante que tem capital disponível e que ainda pode atrair mais investidores nacionais e estrangeiros para o negócio.

O foco é o mercado de fibra óptica, mais especificamente na oferta de internet para consumidores finais, principalmente após a emergência do novo coronavírus.

De acordo com a gestora, a internet de alta velocidade no interior de São Paulo tem um potencial de atingir quase 7 milhões de usuários.

“Queremos evitar pequenas operações espalhadas pelo Brasil. Queremos um adensamento maior de rede”, diz Marcelo Hudik, diretor da HIG Brasil e América Latina.

Sobre a oferta de redes neutras, como a FiberCo, da TIM, InfraCo, da Oi e Fibrasil, da Vivo, a HIG ainda não as vê como uma opção.

“Não sei se dá para competir com qualidade e preço usando rede neutra”, concluiu o executivo.

Ele lembra que com a Desktop, a empresa já compete com grandes e pequenos provedores.

Atualmente, dos 36 milhões de acessos na banda larga fixa no Brasil, 46,2% são feitos por meio de redes de fibra.

Na tecnologia óptica, as operadoras regionais , também chamadas de competitivas, detêm participação superior a 62% do mercado.

Com informações de Valor Econômico.

Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários