InícioEconomia e NegóciosPLC 79 não será suficiente para salvar a Oi, segundo Anatel

PLC 79 não será suficiente para salvar a Oi, segundo Anatel

Operadora se recusou a comentar o posicionamento do presidente da agência.

 Logotipo da Oi
Imagem: Logotipo da Oi

Em recuperação judicial desde 2016, a Oi enfrenta uma delicada situação nos tempos atuais. Além da dificuldade de reverter os resultados negativos e aumentar a geração de lucros, a tele carioca precisa conquistar a confiança e atrair novos investidores.

Para completar, a companhia precisa vender ativos não estratégicos para garantir a sobrevivência de sua operação nos próximos anos.


Uma luz que piscava no fim do túnel era a aprovação da PLC 79, vista como o novo marco legal das telecomunicações. Com ela, as empresas de telefonia podem mudar seus contratos de concessão para autorização.

Assim, se livram de obrigações que tinham custos altos para o caixa, como a manutenção de orelhões públicos. Aprovada nesse mês, a nova lei das teles era vista como uma boa solução para a Oi, que poderia ficar mais atrativa até em um cenário de venda.

VIU ISSO?
Novo plano estratégico da Oi destaca expansão da fibra ótica
Fibra ótica da Oi chega em mais uma cidade
Rodrigo Abreu assume o cargo de Diretor de Operações da Oi

Entretanto, Leonardo de Morais, presidente da Anatel, trouxe outra perspectiva sobre o assunto. Para ele, a marca tem outros problemas que dificultam o interesse dos investidores.

Morais explica que há um subinvestimento histórico na marca, somado ao problema de caixa e a recuperação judicial. O PL não é uma condição suficiente para salvar a tele carioca.

Procurada, a Oi não quis comentar sobre a declaração do presidente da Anatel.

A segurança jurídica é outro fator que torna a situação da empresa ainda mais delicada. O executivo explica que o investidor que fazer rede sem brigar na justiça.

Leonardo de Morais manifestou sua preocupação quanto ao futuro da Oi, afinal, há municípios no Brasil que dependem da operadora para fazer escoamento de trafego de dados.

Entretanto, ele afirma que uma intervenção não está no radar da Anatel.

Com informações do G1

Anderson Guimarães
Jornalista com seis anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop. E-mail: [email protected]

2 COMENTÁRIOS

Acompanhar esta matéria
Notificação de
2 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários