Lobby do SBT e Record pode encarecer TV Paga, afirma colunista

Emissoras veem mudanças na Lei do SeAC como uma oportunidade para cobrar melhores repasses das operadoras de TV por assinatura.

Foto: Alan Santos/PR

Segundo a coluna ‘Notícias de TV’, assinada pelo jornalista Daniel Castro, as emissoras SBT e Record estão pressionando o Governo Federal a aprovar um dispositivo que traria mais equilíbrio entre as relações comerciais entre as operadoras e as produtoras de conteúdo. A proposta é que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) passe a intervir nos contratos entre empresas de mídia e distribuidoras.

A ação ainda é um reflexo da derrota da Simba Content, em 2017. A joint venture foi criada a partir da união entre SBT, Record e RedeTV e tem como principal objetivo fortalecer os canais de TV aberta para cobrar melhores contratos com as operadoras.


Na época, as emissoras abertas cobravam o repasse de R$ 15 por assinante para manter seus sinais na grade das empresas de TV por assinatura. Já as operadoras queriam continuar a fornecer o sinal de forma gratuita.

Sem sucesso nas negociações, a Simba retirou, durante 5 meses, os três canais da programação da TV paga. Após perdas de ambos os lados, foi fechado um acordo de que as emissoras da Simba receberiam a quantia de R$ 0,60 por assinante da Net, Claro TV, Sky e Vivo, o que gera uma receita anual de R$ 130 milhões.

Com o projeto de lei 3.832/19 — que muda a Lei da TV Paga — em discussão no Senado, as emissoras encontraram uma nova oportunidade para conseguir melhores repasses por seus sinais exibidos na TV por assinatura.

VIU ISSO?
–> Entenda a influência da família Bolsonaro no futuro da AT&T e SKY
–> Americana AT&T formaliza seu interesse pela Oi  
–> Governo pode mudar Lei da TV Paga; Como isso afeta as operadoras?

O colunista teve acesso a uma proposta ainda não oficial que circula no Senado e que teria sido redigida por um representante do SBT:

“Parágrafo único. A regulamentação da Anatel deverá levar em consideração os mercados relevantes da comunicação audiovisual de acesso condicionado e a detenção de poder de mercado significativo, de forma a mitigar o risco de exercício de poder de mercado.”

Na prática, a proposta fortaleceria as emissoras, permitindo que a Simba cobrasse mais pelos sinais das TV abertas. Por outro lado, com a medida, as operadoras acabariam por repassar este custo extra para seus clientes, encarecendo o valor das mensalidades.

Na última quarta-feira, após longo debate, a votação do projeto que altera a Lei do SeAC, foi adiado para que os senadores busquem mais consenso sobre o tema. Ele deverá voltar a pauta na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT) do Senado, na próxima quarta-feira, 18.

A SKY tem o plano ideal para a sua TV! Aproveite já com 50% de desconto no primeiro mês. Ligue 0800 123 2040.

COMPARTILHAR EM:

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
5 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários
Frederico Espíndola

Se tratando desses canais acho mais fácil as operadoras excluírem da grade do que pagar mais para continuar transmitindo.

Cidade - UF
Goias
Mateus Leite

TV por assinatura já era, cada dia que passa número de cliente só.

Cidade - UF
Brasília /DF
Everton

Palhaçada, vai terminar as Op’s de TV Paga excluindo por meses os 3 canais como da outra vez.

Cidade - UF
Paulista-Pe
Marcelo Ribeiro

A única utilidade de SBT e Record é encher linguiça entre o NatGeo e o Discovery Channel. Pelo amor de Deus! Será que não se tocam que são apenas canais “enche linguiça” na grade das TVAS? Tomem SE Mancol! Produzem lixo e querem que os assinantes paguem por isso? Humildade zero pelo jeito. Por isso Netflix e semelhantes vão reinar absolutos.
É o caso dos cadáveres pressionando os zumbis para tentarem ter vida. Me poupe, se poupe, nos poupe!

Cidade - UF
Novo Hamburgo RS
Marcelo Ribeiro

Essas emissoras do tal Simba deveriam pagar para os espectadores assistirem suas torturas programáticas. Acredito que nem de graça. Até a TV Senado é mais emocionante.

Cidade - UF
Novo Hamburgo RS