Lobby do SBT e Record pode encarecer TV Paga, afirma colunista

Emissoras veem mudanças na Lei do SeAC como uma oportunidade para cobrar melhores repasses das operadoras de TV por assinatura.

Foto: Alan Santos/PR

Segundo a coluna ‘Notícias de TV’, assinada pelo jornalista Daniel Castro, as emissoras SBT e Record estão pressionando o Governo Federal a aprovar um dispositivo que traria mais equilíbrio entre as relações comerciais entre as operadoras e as produtoras de conteúdo. A proposta é que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) passe a intervir nos contratos entre empresas de mídia e distribuidoras.

A ação ainda é um reflexo da derrota da Simba Content, em 2017. A joint venture foi criada a partir da união entre SBT, Record e RedeTV e tem como principal objetivo fortalecer os canais de TV aberta para cobrar melhores contratos com as operadoras.

Na época, as emissoras abertas cobravam o repasse de R$ 15 por assinante para manter seus sinais na grade das empresas de TV por assinatura. Já as operadoras queriam continuar a fornecer o sinal de forma gratuita.

Sem sucesso nas negociações, a Simba retirou, durante 5 meses, os três canais da programação da TV paga. Após perdas de ambos os lados, foi fechado um acordo de que as emissoras da Simba receberiam a quantia de R$ 0,60 por assinante da Net, Claro TV, Sky e Vivo, o que gera uma receita anual de R$ 130 milhões.

Com o projeto de lei 3.832/19 — que muda a Lei da TV Paga — em discussão no Senado, as emissoras encontraram uma nova oportunidade para conseguir melhores repasses por seus sinais exibidos na TV por assinatura.

VIU ISSO?
–> Entenda a influência da família Bolsonaro no futuro da AT&T e SKY
–> Americana AT&T formaliza seu interesse pela Oi  
–> Governo pode mudar Lei da TV Paga; Como isso afeta as operadoras?

O colunista teve acesso a uma proposta ainda não oficial que circula no Senado e que teria sido redigida por um representante do SBT:

“Parágrafo único. A regulamentação da Anatel deverá levar em consideração os mercados relevantes da comunicação audiovisual de acesso condicionado e a detenção de poder de mercado significativo, de forma a mitigar o risco de exercício de poder de mercado.”

Na prática, a proposta fortaleceria as emissoras, permitindo que a Simba cobrasse mais pelos sinais das TV abertas. Por outro lado, com a medida, as operadoras acabariam por repassar este custo extra para seus clientes, encarecendo o valor das mensalidades.

Na última quarta-feira, após longo debate, a votação do projeto que altera a Lei do SeAC, foi adiado para que os senadores busquem mais consenso sobre o tema. Ele deverá voltar a pauta na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT) do Senado, na próxima quarta-feira, 18.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
5 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários