Americana AT&T formaliza seu interesse pela Oi

Presidente da operadora americana confirmou que planeja investir em telecomunicações no Brasil, em troca do apoio de Jair Bolsonaro.

Acordo de negócios.
Imagem: Pixabay

As regras da Lei da TV paga estão prestes a serem modificadas. Um acordo do governo com os senadores da Comissão de Ciência e Tecnologia deve aprovar um relatório para a alteração, que inclui o fim da proibição para a propriedade cruzada nas TVs por assinatura.

E quem seria a maior beneficiada nisso? A operadora AT&T, claro. Desde que comprou a Time Warner, a gigante americana encontrou barreiras no Brasil, justamente por conta da Lei da TV paga (também conhecida como Lei do SeAC) que proíbe uma empresa de comandar distribuidoras e produtoras de conteúdo. A companhia é dona da SKY e provavelmente teria que vende-la, se as decisões não fossem favoráveis.


Pelas regras, uma tele como a AT&T só pode possuir 50% de um grupo de mídia como a Warner, que também só poderia deter 30% de uma operadora.

Entretanto, Randall Stephenson, presidente da AT&T, encontrou o presidente Jair Bolsonaro na última quarta-feira, 28. Na ocasião, o executivo confirmou que o Brasil é totalmente estratégico e afirmou que planeja investimentos em todos os segmentos das telecomunicações.

Com isso, ele sinalizou seu interesse pela Oi, caso um novo marco regulatório seja aprovado pelo Congresso ainda em 2019.

No Brasil, todas as empresas de telecomunicações teriam dificuldades para arrematar a Oi. Os acionistas, inclusive, cogitam fatiar a empresa para venda.

Dividida ou não, a AT&T poderia adquiri-la. Seria uma boa oportunidade para a empresa recuperar os resultados negativos, se livrar da dívida e colaborar para que a americana reforce sua atuação no Brasil pela infraestrutura da tele.

Entretanto, os negócios precisam fluir, especialmente no governo. É por isso que o relatório de alteração na Lei do SeAC sofreu mudanças para agradar a oposição.

VIU ISSO?
Dinheiro da Oi pode acabar em fevereiro
AT&T está disposta a fechar canais no Brasil para não perder SKY
Futuro da SKY no Brasil será discutido nesta quinta, pela Anatel

A garantia de que a veiculação de programas na internet não seria tratada como serviços de TV foi retirada. Com isso, a aprovação deve ficar mais fácil, já que os opositores tentam impor aos serviços online o mesmo regime de cotas adotado na TV: programação local válida para todos os pacotes.

O projeto retorna à comissão na próxima semana. O governo cogitou até mesmo uma retomada da medida provisória sobre o tema. A MP foi preparada pelas equipes de Paulo Guedes e Marcos Pontes, ministros da economia e do MCTIC. Ambos participaram da reunião com a AT&T.

Mas o presidente pode ter resistido a MP, que rompe o acordo de seus auxiliares com o Senado.

A aprovação da compra da Time Warner pela AT&T no Brasil foi um pedido de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, para Jair Bolsonaro, em prol da parceria estratégica estabelecida entre os dois países.

Com isso, a Anatel começou a ser pressionada para aprovar a operação de US$ 85 bilhões, que envolveu 18 países e só precisa do aval do Brasil para ser 100% concluída.

Há meses, a área técnica da agência chegou a recomendar que AT&T colocasse o controle da SKY para venda, mas a americana se recusou e argumentou que a sede da Time Warner fica nos Estados Unidos. Por isso a operação não poderia ser considerada propriedade cruzada.

Depois da visita do deputado Eduardo Bolsonaro na Anatel, indicado para a Embaixada Brasileira nos EUA, a entidade convocou uma reunião extraordinária para tratar o caso e dois conselheiros votaram a favor.

Entretanto, um pedido de vista pelo conselheiro Moisés Moreira adiou o processo. Agora, Leonardo Morais, presidente da Agência, pediu que o Congresso modifique a Lei do SeAC, só assim a Anatel terá tranquilidade para aprovar a operação da AT&T.

Será que o imbróglio envolvendo a SKY e AT&T pode terminar como uma solução para a Oi? Teremos a resposta sobre essa improvável situação nos próximos dias.

Com informações da Folha de S. Paulo

COMPARTILHAR EM:

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
13 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários
Christopher

Espero que sem concretize

Cidade - UF
Goias
Daniel Rodrigues de Rezende

Estou na torcida

Cidade - UF
Minas Gerais
HELLITON SOARES MESQUITA

Espero que acabem com essa frescura. Porém ainda não faz sentido que o conteúdo da TV ou da Internet tenha cotas de produção nacional. O Netflix mesmo não precisa seguir essa regra e já tem conteúdo nacional. Essa lei de cota só favorece que conteúdo ruim tenha espaço.

Cidade - UF
Rondonópolis - MT
Denivaldo

Sou a favor de cotas e de regras .Se a netflix envestir na produção de um filme nacional de cada país que a mesma arrecada seus dólares será bem melhor que apenas nas produções dos estúdios americano,

Cidade - UF
pe
ADELSON RIBEIRO DE JESUS

A operação de compra da Warner pela AT&T é de US$ 85 BILHÕES

Cidade - UF
Salvador
Lázaro Tanan

É necessária demais está mudança, irá haver uma excelente evolução!

E espero que a Oi mantenha-se no serviço de tv e internet de fibra pelo menos.
Pois no caso destes ambos ou mesmo a sua internet de fibra, não vejo outra que se equipara com a Oi fibra ou Tim Live, que ainda é limitado geograficamente.
Até hoje…não há nenhuma que oferta internet de fibra com as condições fantasticas, que estas duas ofertam.

Cidade - UF
Uberaba
Jean

Eh muita burocracia nesse Brasil. O país perde muito nesse quesito. A AT&T tem caixa pra comprar a falida da oi, nem que seja apenas a parte móvel, pois do jeito que está a Oi nunca irá conseguir melhorar sua rede móvel. Então eh botar a venda que interessados têm.

Cidade - UF
Marechal Cândido Rondon
Denivaldo

Essa gigante americana tem capital para comprar mais também deve muito, logo não vai baixar preços,se a mesma tivesse essa intenção já teríamos uma melhor condição de preços na sky pois a maioria dos canais é de propriedade dela,por isso também sou a favor de cotas pois se não fosse estipulado obrigação não se tinha nenhuma tv nacional nas operadoras de TV por assinatura, ex.gazeta de sao paulo -que e um bom canal se comparado com muitos que somos obrigados a ter na grade – e está de fora.

Cidade - UF
petrolina,PE
Wilton Ribeiro Damasceno

Se essa lei for alterada, no caso da Disney, ela não precisaria mais se desfazer dos canais Fox Sports aqui no Brasil? Se não me engano, a mudança também atinge a lei que configura “duopólio”.

Cidade - UF
Itaquaquecetuba, São Paulo!
Wilton Ribeiro Damasceno

Ah,a propósito, se realmente acontecer a venda total para a AT&T, vai dar até uma certa inveja de quem hoje é cliente Oi. Bem que poderia aproveitar a viagem e comprar a Vivo também. Rsrsrs ?!

Cidade - UF
Itaquaquecetuba, São Paulo
Denivaldo

Acho que não pois faz é tempo que ela e dona da sky que pode investir em banda larga e qual foi o investimento feito por ela?aqui mesmo na minha cidade ela fez foi desligar a antena dizendo que não compensava,pois não vejo essa empresa querendo investir no Brasil,teve leilão que teve ate sobras de licenças.

Cidade - UF
petrolina, Pernambuco
ADALMO TEIXEIRA REIS

quem vai acabar ganhando é o povo pois assim terá mais investimentos.

Cidade - UF
Ipatinga
Denivaldo

Se for alterado o marco regulatorio qualquer grupo poderá comprar exemplo:uma aliança entre algar telecom, grupo globo,grupo folha,itausa,enfim uma aliança de bons grupos pois antes não podia por isso ou por àquilo

Cidade - UF
petrolina, Pernambuco