InícioRegulaçãoFuturo da SKY pode ser decidido sem mudança na Lei da TV...

Futuro da SKY pode ser decidido sem mudança na Lei da TV paga

Aníbal Diniz, conselheiro da agência, defende que o órgão pode e deve decidir sobre o caso sem a necessidade de alteração na lei.

Ilustração
Imagem: Pixabay

Será que a resolução vai ser mais simples do que parece? Nos últimos meses, com a possível interferência do governo na questão da AT&T e a pressão pelo fim da proibição para a propriedade cruzada, a autonomia da Anatel para resolver o problema foi colocada em xeque.

Inúmeras especulações apontavam que a decisão teria forte influência do governo, que prepara um cenário de aprovação para a PLC 79, novo marco legal das telecomunicações e uma possível mudança na Lei da TV paga.

Entretanto, o conselheiro Aníbal Diniz trouxe uma outra perspectiva para o assunto.

Desde 2016, a operadora americana AT&T tenta concluir a compra da Time Warner, mas encontra uma barreira no Brasil: ela é dona da SKY e a Lei da TV paga impede que uma distribuidora de conteúdo detenha mais de 50% de uma produtora/empresa de mídia.


É o que chamam de propriedade cruzada, que é proibido. Assim conseguem evitar um monopólio de canais nas TVs por assinatura.

Com o impedimento, restaria duas opções para AT&T, vender a SKY ou parar de comercializar os canais da Warner na TV paga, isso incluiria a Rede HBO, TNT, Warner Channel, Cartoon Network, entre outros.

Seria um grande desfalque, já que a operadora não está disposta a vender a SKY em qualquer cenário.

VIU ISSO?
Interesse da AT&T na Oi pode ser um alarme falso? Entenda
Rumor: Claro pode tentar barrar compra da Oi pela AT&T
Americana AT&T formaliza seu interesse pela Oi

Os últimos rumores garantiam que o presidente Donald Trump pediu pela aprovação da compra em prol da relação estratégica com o Brasil. Por isso o governo teria colocado pressão na Anatel, para agilizar a aprovação ou fazer uma mudança da Lei.

Aníbal Diniz, conselheiro da agência, diz que a Anatel não só pode como deve tomar uma decisão sem precisar mexer na legislação brasileira. Para ele, o órgão tem total autonomia para isso.

Ele afirma ter ficado a favor do voto de Vicente Aquino, relator da matéria, que aceitou o argumento da AT&T. A Time Warner não é sediada no Brasil e não fere a Lei da TV paga. Trata-se de uma justificativa convincente, na visão do conselheiro.

Diniz explica que, em um cenário de desemprego e restrição econômica no Brasil, as intervenções são completamente inadequadas. Não dá para evitar a entrada de capital estrangeiro no país e nem mesmo expulsar empresas com a proibição da oferta de serviços.

“A operação em análise, como bem defendeu o conselheiro Vicente Aquino em seu relatório, é uma operação entre o Setor de Telecomunicações e a programação e a produção de conteúdos estrangeiros, que não encontra qualquer limitação de veiculação no Brasil.”, escreveu o relator.

A instrução técnica e a Procuradoria da Anatel não estão favoráveis com a aquisição da Time Warner pela AT&T. A primeira, inclusive, pediu a venda da SKY.

Entretanto, a posição não é unânime no Conselho Diretor, órgão que efetivamente interpreta a legislação brasileira.

O conselheiro escreveu um artigo para o site Teletime, utilizado como fonte nesta matéria.

Anderson Guimarães
Jornalista com seis anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop. E-mail: [email protected]
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários