Rodrigo Abreu será o novo presidente da Oi

Ex-presidente da TIM deve assumir a companhia nos próximos meses. Saiba mais detalhes.

Imagem: Divulgação

Na última segunda-feira, 1, o jornalista Lauro Jardim, do jornal O Globo, divulgou que a 7ª Vara da Justiça, por decisão do juiz Fernando Viana, havia autorizado a entrada de Rodrigo Abreu na presidência da Oi.

Horas mais tarde, o Tele.Síntese publicou a confirmação. Ele ocupará o lugar de Eurico Teles, que comandou a companhia durante todo o processo de recuperação judicial.


Abreu, que já faz parte do conselho, estava em desacordo com as decisões da atual presidência sobre os caminhos da Oi. Entre as razões, está a contratação de consultorias que apontariam caminhos alternativos para o futuro da empresa.

O mercado sequer recebeu um comunicado sobre os resultados desse trabalho. Em janeiro, a Oi comunicou que a empresa contratada para a revisão estratégica foi a Boston Consulting Group (BCG).

VIU ISSO?
– Oi impressiona com tráfego de 4,27 terabytes em evento esportivo
– Oi converte dívida em instalação de internet para desabrigados
– Linhas móveis no Brasil: Oi é a única a perder clientes

De acordo com especulações, a decisão de trabalhar com consultorias não partiu de Teles, sim do Conselho de Administração da companhia.

O novo integrante da companhia já foi presidente da TIM Brasil e esteve à frente da Quod, empresa criada por bancos para análise e controle de cadastros positivos.

Eliezer Carvalho, presidente do conselho da tele, foi quem submeteu o nome de Rodrigo para o juiz Fernando Viana, de acordo com as informações publicadas por Lauro Jardim.

A aprovação do conselho veio em setembro de 2018 e seu nome era cogitado para a presidência desde então, quando Eurico Teles começou a colocar seu cargo à disposição.

Rodrigo Abreu, inclusive, era um integrante do conselho convencido a ter uma visão futura para a Oi e planejar de forma realista quais seriam os novos planos.

Desde 2016, a Oi vive uma das maiores recuperações judiciais do país, com R$ 65,4 bilhões em dívidas. A companhia tem um prazo de 60 dias, concedido pela Anatel, para apresentar um fluxo de caixa consolidado e uma previsão ajustada.

Em janeiro, um aporte de R$ 4 bilhões foi concluído para manter investimentos em FFTH e 4G. A Oi revelou também sobre o planejamento de vender ativos estratégicos para aportar R$ 7 bilhões.

Atualmente, a venda da operação de Angola está perto de ser concluída. A concentração dos diretores atuais deve girar em torno da busca de recursos, a fim de dar uma folga no caixa da empresa.

Rumores controversos apontam também que Eurico Telles só deixaria o cargo quando quisesse, enquanto tudo fosse depender das ações judiciais. Diversos analistas apostaram que o executivo ficaria até fevereiro de 2020, prazo da recuperação judicial.

Mas a real situação é que o executivo largaria o posto em outubro ou novembro deste ano, pois seus bens estão bloqueados, por determinação da justiça, enquanto a recuperação judicial da Oi estiver em andamento.

Com informações do Tele.Síntese e O Globo.

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.

1
Deixe um comentário

avatar
1 Número de Comentários
0 Número de Respostas
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Comentário com mais interação
1 Autores de comentários
LUIZ HENRIQUE Autores recentes de comentários
  Cadastre-se  
o mais novo mais antigo mais votado
Notificação de
LUIZ HENRIQUE
Visitante
LUIZ HENRIQUE

Missão difícel , nem o melhor ceo de telecom da época o Zeinal Bava conseguiu salvar a oi.