Bug do Facebook expõe como a rede obtém informações pessoais nossas

Alguns usuários tiveram acesso à informação e compartilharam no Twitter. Quantidade de dados pessoais obtidos em uma única foto impressiona.

Imagem: Pixabay

Não é de hoje que o Facebook é envolto em diversas polêmicas. A última delas ocorreu na quarta-feira, 3, quando um bug atingiu a rede social, assim como o Instagram e WhatsApp, também comandados pela empresa.

Na ocasião, algumas pessoas conseguirem ter acesso aos códigos do Facebook e começaram a entender como a rede social lê nossas fotos. O resultado foi um pouco assustador para os internautas.


O erro de exibição das imagens deixou etiquetas/tags expostas e assim, os olhares mais atentos que conseguiram identificar e compartilharam a informação no Twitter.

Em cada foto da rede, o Facebook categoriza informações como: “Imagem pode conter pessoas felizes, sorrindo, dançando, casamento, gato, cachorro e outras”. É dessa maneira que uma inteligência artificial lê a sua vida nas redes sociais.

O Instagram utiliza as mesmas tags. Por lá, o sistema consegue detalhar cenários, reconhecer objetos e identificar quem está na foto com base no reconhecimento facial da empresa, realizado pelas fotos de rosto ou perfil já publicadas.

VIU ISSO?
– Golpe: Hackers usam falsas vagas de emprego para roubar dados do Facebook
– WhatsApp, Facebook e Instagram enfrentam instabilidades
– Facebook e outros apps não estarão nos celulares Huawei

A informação é de que as etiquetas são utilizadas para descrever fotos e vídeos aos deficientes visuais. Entretanto, há a suspeita de que a empresa usa essas informações para direcionar anúncios. Até então, apenas um rumor.

Em 2017, um usuário criou uma extensão no Google Chrome para mostrar todas as etiquetas colocadas nas imagens do Facebook. Na época, ele defendeu que as pessoas não faziam ideia da quantidade de informações pessoais que é extraída rotineiramente das fotografias.

A instabilidade do Facebook, além de irritar muitos usuários, revelou parte dos bastidores da companhia e o quanto estamos avançados com a inteligência artificial.

Difícil é tirar a “pulga atrás da orelha” que fica em relação a segurança de nossas informações, já que nossas vidas não são mais privadas quanto antes, graças ao inocente uso das redes sociais.

Com informações do The Verge e Olhar Digital

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.

Deixe um comentário

avatar
  Cadastre-se  
Notificação de