TIM investirá R$ 12,5 bilhões no Brasil até 2021

O foco do investimento será o aprimoramento da capacidade móvel e na expansão do serviço de fibra.


O investimento da operadora TIM no Brasil para os próximos anos será pesado. A ordem de investimento é de R$ 12,5 bilhões, confirmou a Telecom Italia, dona da TIM.


O foco será o aprimoramento da capacidade móvel e na expansão da infraestrutura em backbone e backhaul de fibra que possibilite que o serviço de fibra até a casa (FTTH) alcance 4 milhões de domicílios até 2021. Atualmente são 1,1 milhão de domicílios atendidos. 



A TIM passa por um bom momento no Brasil. A operadora divulgou recentemente seu balanço financeiro referente ao quarto trimestre de 2018. A receita líquida no período foi de R$ 4,4 bilhões. Em 2018 como um todo, a receita líquida registrada foi de R$ 17,05 bilhões, enquanto o lucro líquido foi de  R$ 1,566 bilhão – crescimento de 26,6% em relação a 2017.
O investimento nos próximos três anos será para melhorar as seguintes frentes:
Consumer – A TIM quer ampliar a participação de canis digitais, em relação a vendas e atendimento, além de simplificar ofertas no pré-pago e no pós-pago. E, evidentemente, continuar em ritmo acelerado pela expansão do 4G.
Móvel B2BCorte de custos e aumento de eficiência e produtividade são os mandamentos aqui. A TIM também espera oferecer soluções convergentes E2E. A meta da operadora é alcançar crescimento de 25% nas receitas de B2B.
Digital – A TIM quer angariar novas formas de receita como provedor de plataforma, através de analytics, BD e publicidade móvel).

O protagonismo de IoT também é um ponto a se destacar. Nesse segmento a operadora espera gerar receitas de R$ 1 bilhão com a ativação de 30 milhões de chips.
Infraestrutura – Aqui entra em questão o serviço de fibra ótica que comentamos no início. A meta é alcançar 4 milhões de domicílios com FFTH em três anos. O número de cidades atendidas irá pular de 601 para 1,5 mil.
Plano de eficiência – A TIM quer ampliar em 12 milhões a quantidade de interações digitais, em detrimento do atendimento humano. Também será acelerado a transformação digital de atividades voltadas ao cliente. 

VIU ISSO?


“A TIM, nesse novo triênio, reafirma seu compromisso com (i) a preservação de uma abordagem austera no controle de custos, visando elevar a rentabilidade de sua operação, e por isso mantém a meta de atingir o patamar de 40% de Margem EBITDA em 2020, bem como (ii) a alocação eficiente do capital, caracterizada pela destinação do CAPEX em projetos de ampliação e modernização da infraestrutura (rede e TI) e (iii) a contínua expansão da geração de caixa traduzida pela elevação do indicador de EBITDA – CAPEX sobre a Receita para o patamar de 20%”, declarou a operadora em comunicado.

About William Plaza
Levamos informação de qualidade sobre o setor de telefonia fixa, móvel, internet banda larga e televisão por assinatura para os milhões de brasileiros que a cada dia estão se conectando cada vez mais.

4 Comentários

  1. Falta melhorar a qualidade do 4G que ainda é o mais lento das 3 maiores operadoras do país..velocidade de tartaruga no 4G…muitas vezes menor que o próprio 3G…

    • Gosto da cobertura ampla do 4G e das ligações via VoLTE, mas em termos de velocidade do 4G, Claro em primeiro, Vivo em segundo, Tim em terceiro… precisa mesmo melhorar neste quesito, de resto, estou satisfeito!

  2. A TIM diz que tem seus preços são fixos, mas é mentira todos os mezme as faturas dos planos sofrem alterações.

  3. No quesito "Infraestrutura" fiquei na dúvida… "O número de cidades atendidas irá pular de 601 para 1,5 mil." Devem estar contabilizando cidades onde tem fibra ótica até as torres, assim como aqui em Uberlândia – MG; porque o serviço "TIM LIVE" ainda é restrito a algumas – Cidades de SP, RJ, Salvador, Goiânia e Manaus.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.


*