segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Ex-acionista da Oi doa R$ 500 mil para campanha de Rodrigo Maia

O que você achou? 
Empresário cria site para auxiliar candidatos a captar recursos por meio de financiamento coletivo.

A corrida eleitoral já começou e esta será a primeira eleição geral em que estão proibidas as doações de pessoas jurídicas a candidatos, como determinado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

No entanto, a proibição não impede que pessoas físicas façam doações de grandes quantias. 



Um levantamento realizado pelo jornal O Globo mostrou que a maior doação individual sem vínculos feita até o momento foi realizada pelo empresário Carlos Jereissati.

[ATUALIZAÇÃO - 27/08/2018 21H24]:

Carlos Jereissati é ex-acionista da Oi e faz parte do holding Jereissati Participações S.A. que detém o Grupo Iguatemi. 

A Jereissati Participações mantêm uma participação de 8,43% na Liq (ex-Contax), companhia aberta que trabalha com a implantação de contact centers voltados para o relacionamento de empresas com seus clientes.

O empresário realizou uma doação de R$ 500 mil para a campanha de Rodrigo Maia (DEM-RJ), que é candidato a deputado federal.

O valor foi transferido na última quarta-feira (22) e foi registrado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

LEIA TAMBÉM:


Site para doações


Com o objetivo de captar recursos para os candidatos, o empresário Tiago Bez Hahn criou um site que, por meio de financiamento coletivo, permite que eleitores façam doações via cartão de crédito do próprio CPF para seus candidatos.

O site é o doacaoeleitoral.org. Para receber doações, o candidato precisa se registrar no site. 

Para doar, o eleitor entra no site, coloca o nome do político, escolhe o valor a ser doado e a transação é realizada.

O recibo é enviado por e-mail para o doador. A prestação de contas relativas a todas as doações eleitorais é feita automaticamente pelo site junto ao TSE.



2 comentários:

  1. Ele é irmão do senador Tasso Jereissati

    ResponderExcluir
  2. O que ele terá em troca? Cargo comissionado? Nada e de graça nessa política podre desse país, uma vergonha.

    ResponderExcluir