Vivo busca reduzir em 70% sua produção de papel até 2021

Para isso, a empresa está investindo em transformação digital e realizou parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica.


A transformação digital realizada pela Vivo já traz alguns resultados positivos, principalmente no que tange a questão ambiental. A meta da empresa é reduzir 70% do volume de papel produzido até 2021.


Somente no primeiro semestre de 2018, a empresa reverteu 7,8 milhões de contratos assinados digitalmente em 2017 no plantio de 24 mil mudas, distribuídas em uma área de 9,6 hectares, o equivalente a dez campos de futebol.


Realizada em parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica, a iniciativa é parte do projeto Paper Less, que significa empresa sem papel. 

O projeto deverá reduzir em 70% o volume de impressões de documentos pela Vivo até 2021. Atualmente, o volume médio de impressões da empresa é de aproximadamente 4,4 milhões de folhas ao mês, o que deve ser reduzido para a 1,3 milhões de páginas.

Para atingir sua meta, a Vivo trabalha em um projeto de reprografia, que prevê a redução máxima de impressões e fotocópias e a digitalização de contratos também junto a fornecedores e clientes.

O projeto piloto, realizado pela área de Patrimônio da empresa, prevê que 1 milhão de contratos/mês sejam assinados digitalmente, o que equivale a 240 milhões de folhas economizadas em um ano

Na repografia, que engloba impressão e cópias de documentos, são impressos aproximadamente 50 milhões de páginas/ano. A redução prevista com a digitalização destes documentos chega a 75%

Entre as iniciativas que permitirão estas mudanças, está a capacitação e conscientização das equipes internas, mudanças em sistemas da empresa e implantação de novas frentes de digitalização. 

“A Vivo atua em diferentes frentes para promover a digitalização, tanto internamente como nos pontos de contato do cliente com a empresa. Com o projeto Paper less, ampliamos nossa atuação sustentável à medida que geramos impacto positivo para a sociedade”, afirma o diretor de Patrimônio da Vivo, Caio Silveira Guimarães.


LEIA TAMBÉM:



“A parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica no projeto ‘Florestas do Futuro’ nos trouxe esta possibilidade de transformar parte da digitalização dos processos na recuperação das matas ciliares e espécies nativas e de contribuirmos de forma direta para a preservação do meio ambiente”, revela a executiva de Sustentabilidade da Vivo, Joanes Ribas. 

Consumo consciente pelos clientes


A transformação digital permitiu à companhia ampliar o uso e a eficiência dos atendimentos por meio do aplicativo Meu Vivo.

Também foi possível aumentar a adoção de faturas digitais pelos clientes para 83% no serviço móvel e 140% no fixo, em 2017. 

No último ano, foram enviadas pela Vivo 131 milhões de faturas no formato digital. 

Em todas as lojas e revendas da operadora também é possível ao cliente participar do programa Recicle com a Vivo, que garante a coleta e destinação adequada de equipamentos, como celulares, carregadores e baterias. 

Desde que foi implantado, em 2006, o projeto já recolheu 4,8 milhões de itens, garantindo a destinação de 100 toneladas de resíduos. 

Em 2017, foram recolhidos 122 mil itens, o equivalente a 8,1 toneladas de equipamentos. 

A empresa também trouxe para o Brasil o selo Eco Rating que classifica com uma nota de 0 a 5 o impacto ambiental dos smartphones, considerando mais de 100 critérios socioambientais. 

A avaliação, desenvolvida pela ONG Forum for The Future, do Reino Unido, permite aos clientes uma decisão de compra mais sustentável.

Deixe um comentário

Por favor, faça login para comentar
  Acompanhar esta matéria  
Notificação de