sexta-feira, 29 de junho de 2018

Vivo tira letra I do nome em prol da causa LGBTQ+

O que você achou? 
Operadora aderiu ao Movimento #MarcasAliadas, criado pela Skol, e que conta com outros 15 anunciantes.

Vvo. É assim, sem o ‘I’ que estamos vendo escrito o nome da operadora neste finalzinho de mês nas redes sociais. A logomarca foi modificada porque a empresa aderiu ao Movimento #MarcasAliadas, criado pela Skol, e doou a letra ‘I’ para a causa LGBTQ+.

A intenção da ligação das letras das marcas com as iniciais da sigla LGBTQ+ foi para gerar um impacto maior e chamar a atenção das pessoas, despertando a curiosidade sobre o que se trata as mudanças nos logos.

Além de ‘doar’ parte da logomarca, a operadora também irá doar valores para as ONGs Coletivo Não Desculpo, Casinha, TODXS e Coletivo Transformação.

A campanha começou no dia 27 de maio e em um mês triplicou o número de aliados, fechando o mês de junho com o apoio de 16 anunciantes. 

O movimento já arrecadou doações suficientes para manter as quatro instituições por cerca de um ano.

Sob o guarda-chuva #MarcasAliadas, as marcas doaram as seguintes letras de seus nomes:



LEIA TAMBÉM:



A ONG Casinha irá utilizar a doação para viabilizar o aluguel de um espaço físico que ajude pessoas LGBT em vulnerabilidade. A espaço ficará no Centro do Rio de Janeiro.

A TODXS, por sua vez, vai usar o investimento para pilotar um projeto que visa à mudar o cenário de inclusão nas escolas públicas do país. 

A instituição também irá realizar uma pesquisa a nível nacional para direcionar o país para melhores políticas públicas. O objetivo é lançar mão de tecnologia e inovação para impactar o Brasil em alta escala.

Já o coletivo ‘Não desculpo’ pretende, a partir das doações, criar uma rede de profissionais que trabalham com psicologia, psicanálise e psiquiatria para atender mulheres LBT+ que sofreram ou sofrem algum tipo de violência. 

O Transformação, que promove educação e cultura para pessoas transgêneras, travestis e não binárias em aulas no centro de São Paulo, pretende expandir sua capacidade de atendimento, levando educação para mais pessoas.

As doações garantem seu funcionamento por cerca de mais 2 anos.

No Dia Internacional do Orgulho LGBT, comemorado na última quinta-feira (28), a Vivo destacou que se tornou a primeira empresa do setor de telecom a integrar o Fórum de Empresas e Direitos LGBT+

“A Vivo é uma marca inclusiva, aberta e que discute e incentiva a diversidade. Valorizar a diversidade faz a diferença para a sociedade, pois além de torná-la mais justa, contribui para que esteja mais conectada, seja mais forte”, comenta a  Diretora de Imagem e Comunicação da Vivo, Marina Daineze, para o site Publicidade e Cerveja.



3 comentários:

  1. Explicado tirou o I pq no Interior tem cobertura 2G e 3G parcial e 4G só no bairro da torre péssimo

    ResponderExcluir
  2. Na minha cidade a vivo e pessima fica cortando e falhando as ligações sinal 2 G e 3 g fraco dentro de casa a oi e a claro tao boa ate na zona rural pega bem o gsm

    ResponderExcluir
  3. Tirou o I para enfiar nos clientes.

    ResponderExcluir