Telebrasil quer instalar 50 mil antenas de celular até 2022

Para cumprir essa e outras propostas, como a banda larga em 10 milhões de novos domicílios, associação pede ações do governo.

Durante a abertura do Painel Telebrasil 2018, evento que teve início nesta terça-feira (22), a Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil) apresentou algumas propostas com metas para ter um Brasil digital até 2022.

Com algumas medidas que estão para serem aprovadas, a associação quer atender, nesses quatro anos, 10 milhões de novos domicílios com internet banda larga, instalar 50 mil novas antenas de celular e internet móvel e ativar mais de 100 milhões de dispositivos IoT.







A instalação de serviços de cidades inteligentes em cidades com mais de 500 mil habitantes e a questão do emprego no setor também devem ser trabalhadas. Até 2022, espera-se pelo menos a criação de 100 mil novos empregos e a qualificação de mais de 1 milhão de profissionais especializados.
Mas, para isso, a Telebrasil exige que algumas ações sejam feitas, como a simplificação de regulamentações, o uso do Fust (Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações), além do PLC 79/16, que, segundo sua concepção, deveria ser aprovado imediatamente.
Até então, a Telebrasil acredita que as telecomunicações, apesar de serem a base da infraestrutura digital, estão fora da agenda pública e são limitadas por leis defasadas e regulamentos atrasados e desatualizados. 
LEIA TAMBÉM:
Hoje, o setor de telecom e de tecnologias da informação representam cerca de 10% do PIB nacional, sendo que as telecomunicações já investiram R$ 1 trilhão desde a privatização e empregam mais de 500 mil trabalhadores. Ainda segundo a Telebrasil, R$ 60 bilhões foram somente em tributos.
Para mudar o cenário e cumprir com todas as metas propostas até o ano de 2022, a associação espera as seguintes ações:

Atualização legal e regulatória

  • Aprovação imediata do PLC 79/16, liberando ainda mais investimentos;
  • Simplificação da regulamentação e dos licenciamentos;
  • Estímulo à autorregulação setorial;
  • Licitações não arrecadatórias para novas frequências;
  • Estabelecimento de regras iguais para serviços similares aos prestados pelas OTTs;
  • Alteração da lei do Fust para uso em outros serviços, além do STFC, que viabilizem a transformação digital no país;
  • Criação do Sistema S para as TICs, essencial para a capacitação do trabalhador.

Promoção da inclusão digital

  • Desoneração de tributos para acessos de domicílios de baixa renda e em áreas carentes;
  • Uso do Fust para subsidiar a contratação de serviços por usuários de baixa renda em áreas carentes, inclusive rurais;
  • Isenção de Fistel para estações de satélite para atendimento a domicílios rurais;
  • Redução de tributos também para smartphones.

Redução das barreiras aos investimentos do setor privado

  • Incentivo fiscal, incluindo ICMS e Fistel, para instalação de antenas em distritos não atendidos;
  • Aplicação plena da Lei Geral de Antenas (Lei 13.116/15) pelos municípios;
  • Isenção de Fistel, Condecine e CFRP das antenas instaladas em rodovias;
  • Assegurar a cessão não onerosa de áreas para instalação de antenas e direito de passagem em rodovias;
  • Isenção de tributos, principalmente Fistel, para equipamentos e infraestrutura de IoT;
  • Definição de uma política industrial com foco na competitividade futura.

Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais votado
mais novo mais antigo
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários
Rodrigo

Achei interessaste algumas coisas, como isenção de algumas taxas, mas acho isso impossível no governo atual, espero que consigam com o próximo, e se for nesse governo melhor ainda.