domingo, 8 de abril de 2018

Proteste afirma que operadoras estão descumprindo o Marco Civil

O que você achou? 
Planos cortam navegação após fim da franquia contratada; entidade afirma que medida é contra lei, que permite apenas a redução na velocidade.

As operadoras estão desrespeitando o Marco Civil da Internet, conforme pesquisa realizada pela Proteste, organização de defesa do consumidor. 

O órgão constatou que as empresas estão bloqueando o acesso dos clientes após o fim da franquia de dados. O que vai contra a lei, que permite apenas a redução na velocidade.

Conforme o Marco Civil, só é permitida a interrupção do serviço em casos de não pagamento das contas

A Proteste sugere que as companhias sejam impedidas de vender novos planos até regularizarem a situação e que a redução na velocidade de navegação seja limitada a 1 Mbps.

A pesquisa analisou 16 contratos de planos pós, controle e pré das quatro maiores operadoras do país (Vivo, TIM, Oi e Claro). A maioria dos planos informa que o acesso será bloqueado após o término da franquia.
Apenas a Oi prevê que a velocidade da internet será reduzida. No entanto, a empresa especifica que a velocidade de rede será limitada a 64 Kbps após o consumo da franquia, o que a associação considera impeditivo para a navegação, já que a velocidade mal dá para trocas de mensagens no WhatsApp. 

A Proteste ainda alerta para os planos que permitem apenas o acesso a alguns aplicativos como WhatsApp e Facebook, após o fim da franquia. Conforme a entidade, isso fere outro princípio do Marco Civil da Internet que é a neutralidade da rede. 

Em resposta a pesquisa, as operadoras disseram que seus contratos são mensais e contínuos. Assim, não são obrigadas a manter o acesso em velocidade reduzida, podendo cortar a navegação quando o cliente exceder a franquia contratada. 

A Proteste reafirmou ainda que, além de descumprir o Marco Civil da Internet, as operadoras estão ferindo o Código de Defesa do Consumidor. 



7 comentários:

  1. Justificar que os contratos são mensais e contínuos não caberia a planos com fidelidade de 12 meses, mesmo que a fidelidade tenha se devido a descontos no serviço.

    ResponderExcluir
  2. Justiça seja feita! O consumidor não pode ser lesado com essa prática ilegal, de acordo com o nosso Marco Civil. Ademais, cabe a agência reguladora (Anatel) cessar com tal prática injusta e abominável.

    ResponderExcluir
  3. Aqui nesse paos nada é cumprido e o consumidor sempre se ferra! Nao so em telefonia como em tudo! O governo não fiscaliza nada que não gera interesse $$$$ pra ele diretamente..

    ResponderExcluir
  4. Achei que a PROTESTE estivesse falando dos planos de internet criados somente para acessar tal app ou site. Isso, sim, é uma afronta ao MCI.

    ResponderExcluir
  5. Ainda bem que a Nextel não tem isso

    ResponderExcluir
  6. As operadoras não respeita as leis, e ninguen faz nada, contra isso. Nem msm a Anatel, que não faz nada.

    ResponderExcluir