quarta-feira, 4 de abril de 2018

TIM sugere rede compartilhada entre todas as operadoras no interior

O que você achou? 
Com full sharing, proposta seria otimizar expansão de infraestrutura e dividir custos com investimentos e manutenção.

Depois de apresentar os novos resultados da TIM em São Paulo, onde todos os municípios já são cobertos com 4G, o CTO Leonardo Capdeville fez uma sugestão um tanto ousada pensando em clientes móveis do interior, e em uma possível grande economia para as operadoras.

Ele propôs que, em cidades com menos de 30 mil habitantes, todas as grandes operadoras compartilhassem uma mesma rede por completo. Seria o chamado “full sharing”, uma rede única em que torres, equipamentos, espectro e bakchaul em todas as frequências passam a ser compartilhados.


A medida já funciona atualmente, mas somente em algumas localidades e entre uma e outra operadora, como é o caso da parceria entre a TIM e a Oi. A ideia do empresário da TIM e revelada para o Mobile Time vai além. Propõe que todas as empresas do setor dividam o investimento e o custo de manutenção, aumentando, assim, a qualidade e a cobertura para os clientes.

Em entrevista, ele explicou que a prestação de serviços é muito cara no interior do Brasil, tanto pelo investimento quanto pelo custo de manutenção. As pequenas cidades, na grande maioria, acabam oferecendo pouco retorno de investimento às operadoras, conforme relatou.

LEIA TAMBÉM:

“Se pegarmos as cidades abaixo de 30 mil habitantes, qual a necessidade de ter duas ou três redes físicas operando? Por que não ter uma única rede física, com serviço de melhor qualidade, compartilhando os meios físicos, o espectro e a eletrônica?”, questionou.

Um exemplo mencionado por Capdeville foi de uma cidade no interior onde há sete torres de telefonia, sendo duas da TIM com 4G, duas e três de outras operadoras com 3G. Ele acredita que, se houvesse apenas quatro torres com full sharing, ao invés de sete espalhadas, a cobertura na cidade inteira poderia ser de 4G, sendo que as operadoras ainda economizariam.

Apesar de afirmar que a TIM é líder na cobertura 4G no Brasil – 3 mil em 5,5 mil municípios –, o empresário acredita que o diferencial é passageiro, porque a ideia é que todas as operadoras se igualem em número de cidades alcançadas no futuro.

Sua ideia, no caso, é otimizar a expansão da infraestrutura no interior do país com uma solução que, para ele, seria mais eficiente para todos. A discussão sobre um projeto desse nível já está sendo levada às demais operadoras.


18 comentários:

  1. Acontece que a Tim só se preocupa em cobertura na cidade e não em estradas ou áreas rurais. Outras operadoras tem mais antenas pq pensam em cobrir maior parte do território não como a Tim que coloca uma antena na cidade coloca e 4 g e diz que tem cobertura em todas as cidades... a Tim eh uma vergonha de operadora...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Felizmente ou infelizmente cobertura rural é uma coisa que só a Vivo que faz. As outras só se preocupam com os grandes centros

      Excluir
    2. Marechal Floriano e Domingos Martins, nasáreas rurais "pego" 4G da tim e só 2G da vivo. Então, não é verdade sua afirmação

      Excluir
    3. A VIVO só tem essa ampla cobertura no interior porque é resultado da junção de operadoras compostas pela banda "A". Assim como a TIM no Nordeste é líder porque foi composta por operadoras da banda "A" e a Claro por sequencia da banda "B". Mas concordo com o amigo quando diz que a TIM prioriza os grandes centros. Mas ainda assim, creio que ela evoluiu muito.

      Excluir
  2. Uma boa ideia pra acabar com esse monopólio da Vivo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. monopólio? Que culpa tem a Vivo se as outras nao investem em infraestrutura?

      Excluir
  3. Boa ideia. Todas sairiam ganhando, exceto a Vivo que perderia seu diferencial

    ResponderExcluir
  4. Assim a Vivo perderia mtos clientes pq o pessoal ia descobrir promoções de verdade que só a Tim Claro Oi e Nextel tem

    ResponderExcluir
  5. Tenho certeza que a Vivo nao aceitaria. Como já disse o colega acima, ela perderia a exclusividade de sua ampla cobertura.

    ResponderExcluir
  6. engraçado que hoje mesmo eu estava pensando nisso.
    as operadoras deveriam compartilhar seu sinal. o que faria um cliente permanecer na operadora seria o preço, e não sua cobertura!

    ResponderExcluir
  7. A Vivo jamais vai aceitar, pois iria ter que baixar seus caros planos para não perder seu monopólio territorial.

    ResponderExcluir
  8. Eu uso Tim pois aqui em minha cidade de 25.000 habitantes a rede é 4G, já a OI tem apenas 2G se a idéia da Tim entrasse em prática passaria a usar a OI

    ResponderExcluir
  9. Possuo Claro, em Porto Alegre funciona perfeitamente, mas acredito que não seja monopólio da VIVO, É só as outras operadoras se interessar em colocar mais torres/antenas em algumas cidades do interior.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como foi dito na reportagem, os custos para implantação de rede no interior são altos e o retorno muitas vezes baixo.

      Excluir
    2. Pois é, verdade, esperamos que funcione a ideia da rede compartilhada. Quem sabe num futuro muito muito muito distante.

      Excluir
  10. Só teremos internet com alta velocidade e incluindo as áreas rurais somente com a chegada da rede 5G antes disso ficaremos so escutando promessas e intenções sem sucesso.

    ResponderExcluir
  11. BOA IDEIA ESSA,POIS MORO EM UMA CIDADE COM MENOS DE 30 MIL HABITANTES, AQUI SO TE CLRO 3G, UMA TORRE DE 70 METROS NOVA E COM ESPAÇO PARA MAIS 3 OPERADORAS COMPARTILHAREM, JA A OI TEM FIBRA CHEGANDO NO NO SITE, E UMA TORRE DE BOA ESTRUTURA SOMENTE PARA FUNCIONAR O 2G, SE COMPARTILAREM A VIVO E A TIM PODERIA USAR ESSA FIBRA DA OI E ESSA ESSAS DUAS TORRES E COLOCAR COBERTURA DE TODAS AS 4 OPERADORA NO MEU MUNICIPIO, E ISSO FICARIA BEM MAIS BARATO PARA AS OPERADORS, E MELHOR PARA OS USUARIOS.

    ResponderExcluir