TIM debate a importância do setor de Telecomunicações na Rio+20


Como as empresas de telecomunicações podem contribuir para o desenvolvimento sustentável do planeta? A TIM do Brasil participou das discussões sobre o tema na Rio+20, Conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) que aconteceu no Rio de Janeiro. Hoje, o diretor de Comunicação e Sustentabilidade da operadora, Maurício Bacellar, participou da palestra “Parceria em Inovação para o Desenvolvimento Sustentável” no Corporate Sustainability Forum, evento paralelo à Conferência, promovido pelo Global Compact, plataforma global da ONU, que reúne empresas privadas comprometidas com os princípios básicos dos direitos humanos, relações de trabalho, meio ambiente e combate à corrupção. O evento foi no Hotel Windsor, na Barra da Tijuca, às 9h. Na sua apresentação, o executivo mostrou como a TIM Brasil vem desenvolvendo no país um modelo de negócio social, promovendo maior acessibilidade aos serviços de telefonia e internet móvel.

“Estudos comprovam que o maior acesso da população à internet funciona como uma alavanca para o desenvolvimento econômico e social. Em países como Dinamarca, Noruega, Holanda, Suécia e Suíça, a alta penetração da banda larga contribui, em média, com uma taxa de 0,023% para o crescimento do PIB. No Brasil, essa taxa ainda é de 0,008%. A TIM quer ajudar a construir um novo cenário e aposta no conceito de negócios inclusivos, buscando a democratização do acesso à telefonia móvel e à internet, por meio de ofertas inovadoras e preços baixos. Desde que adotamos essa estratégia, somos a empresa que mais cresce no mercado de telecomunicações, com aumento de mais de 55% da base de clientes nos últimos dois anos. Portanto é um modelo que proporciona crescimento econômico e também social”, destaca Bacellar.

O setor de telecomunicações pode colaborar também para o alcance de modelos econômicos mais sustentáveis. O relatório SMART 2020, elaborado pela ONG internacional The Climate Group, estima que o setor de Tecnologia da Informação e Comunicação, em 2020, poderá gerar uma redução de 15% nas emissões globais.

A TIM também trabalha nesse sentido. Além de criar ofertas que estimulem o aumento da comunicação e da conectividade, encurtando distâncias e reduzindo a necessidade de deslocamentos, e consequente queda das emissões de gases do efeito estufa, a operadora também faz o seu “dever de casa”. A empresa investe em reestruturação de processos e em tecnologia para alcançar o máximo em eficiência energética. Com esse intuito, realizou, em 2011, a substituição de equipamentos de acesso (BTS) por modelos mais modernos, que consomem menos energia. Durante o ano, 2.955 acessos foram modernizados (upgrade), outros 1.223 foram substituídos, totalizando uma economia de 4,6 milhões de KW. A modernização da rede também prevê o compartilhamento de antenas com outras operadoras. Assim, a TIM tem conseguido otimizar a ocupação do solo e aumentar o consumo energético e as emissões de gases de efeito estufa em proporção menor que o crescimento da infraestrutura de rede.

“Em 2012, nossa planta de rede deve crescer em torno de 14%, acompanhando a expansão do mercado de telefonia móvel no Brasil. Mas estabelecemos como meta um aumento de energia consumida limitada a 3,5%”, explica Maurício Bacellar.

Desde 2009, a TIM é integrante do Índice de Sustentabilidade Empresarial da BM&F Bovespa, carteira composta por ações de empresas comprometidas com a responsabilidade social e a sustentabilidade empresarial. Em 2011, a operadora passou também a integrar a carteira do recém-lançado Índice de Carbono Eficiente, que reúne empresas com práticas de transparência em relação às suas emissões de gases de efeito estufa e que vêm se preparando para a economia de baixo carbono. A TIM é ainda a única do setor de telecomunicações a integrar o Novo Mercado da BM&FBOVESPA, reconhecido como nível máximo de governança corporativa.

Periodicamente, a TIM faz o levantamento das emissões com base na metodologia do Greenhouse Gas Protocol (GHG Protocol), o que permite realizar o mapeamento dos principais pontos de melhoria na sua gestão de emissões, contribuindo na luta contra o aquecimento global. Também participa do Programa Empresas pelo Clima, plataforma coordenada pela Fundação Getúlio Vargas e que reúne líderes setoriais atentos às questões climáticas no mundo e seus efeitos.

Junto aos clientes, além dos planos socialmente inclusivos e que levam a comunicação móvel a diferentes camadas da sociedade, a TIM conta com soluções diferenciadas para atender aos consumidores com menor impacto ambiental. Um destaque é o TIM PDV, solução que possibilita a compra de créditos para celulares pré-pagos por meio de transações online e que já evitou o consumo de 13 toneladas de plástico e 82 toneladas de papel que seriam usados na produção de 69 milhões de cartões de recarga. Atualmente, as recargas eletrônicas representam 97% do total de créditos vendidos pela TIM e, para 2012, a meta é alcançar 100%.

A operadora conta também com programas de coleta de aparelhos, baterias e acessórios, o que garante a destinação adequada destes materiais. Em 2011, a TIM arrecadou 16 toneladas de lixo eletrônico. Além disso, quase toda a comunicação impressa da empresa com seus clientes é feita por meio de papel certificado FSC e papel reciclado, o que inclui contas, folheteria nas lojas e sacolas. Em suas lojas, a TIM utiliza materiais certificados na produção do mobiliário, além de adotar técnicas de otimização do uso de energia, buscando redução do consumo.

About Redação Minha Operadora
Um dos principais sites de notícias sobre o setor de telecomunicações do Brasil e do mundo. Mais de 10 mil artigos publicados com cerca de 1 milhão de páginas lidas todos os meses.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários